Número total de visualizações de página

sexta-feira, 1 de junho de 2018

97 pontos no maior concurso mundial de vinhos atestam qualidade dos moscatéis produzidos no Douro

‘Portal Moscatel Reserva’ bate recorde e traz Platina!

É a maior pontuação alguma vez atribuída a um moscatel do Douro em concursos com o prestígio do ‘Decanter World Wine Awards’. O Portal Moscatel Reserva 1996 atingiu 97 pontos em 100 possíveis, no que resulta em mais um atestado de qualidade aos moscatéis do Douro e à Quinta do Portal em particular.

A pontuação concedeu ao vinho da empresa sediada em Sabrosa uma ‘Medalha de Platina’, o mais alto prémio do certame, que tem mais de 15 mil vinhos em prova. Fica assim demonstrado o virtuosismo da equipa de enologia da Quinta do Portal, liderada pelo enólogo Paulo Coutinhono tratamento da casta moscatel, que durante muitos anos foi desprezada na região, mas que mostra potencialidades para se impor a nível internacional e competir com a região da Península de Setúbal, tradicionalmente mais virada para a produção desta categoria de vinhos.
Quinta do Portal conta a seu favor com alguns factores diferenciadores que lhe conferem vantagens competitivas no tratamento desta casta. Para lá do know-how adquirido, tem uma área significativa de produção própria de uvas e tem parcerias com outros produtores da região de Favaios, a sub-região do Douro mais afamada na produção de moscatéis. Recentemente, estabeleceu uma parceria com a distribuidora do Licor Beirão, a Companhia Espirituosa, abrindo portas nos canais de venda ao Mural Favaios, outro moscatel com a chancela da Quinta do Portal, que tem registado um excelente comportamento no mercado.
O «Quinta do Portal Moscatel Reserva 1996», (100% por cento moscatel galego) envelhece em cascos velhos de carvalho, bem ao estilo dos tawnies velhos. De cor aloirada, este vinho apresenta aromas de pêra e maçã verdes, e um caramelizado sem nunca deixar a elegância. Ideal para sobremesas, tem todas as características únicas que podemos encontrar nos vinhos generosos do Douro. Esta é a mais alta distinção internacional alcançada por este vinhos, mas já anteriormente tinha recebido medalhas de ouro no International World Challenge ou no Concurso Ibérico de Moscatel, tendo ainda passado a barreira dos 90 pontos na Wine Advocate.

Sobre a Quinta do Portal
Sediada em Celeirós do Douro, Sabrosa, a Quinta do Portal dedica-se ao conceito boutique winery e, até há pouco tempo, especialmente à produção de vinhos DOC Douro, vinhos do Porto de categorias especiais e moscatéis. Na porta de entrada do Alto Douro Vinhateiro Património Mundial da Humanidade da Unesco, conta ainda com uma vertente enoturística assente em duas unidades de turismo rural, num armazém de envelhecimento de vinhos desenhado pelo arquitecto Siza Vieira e num distinto restaurante que têm merecido vários prémios. Os galardões conquistados a nível nacional e internacional pelos seus vinhos têm conferido à Quinta do Portal uma marca de qualidade e distinção.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Primeiro ‘Reserva Branco’ do Portal conquista ouro em ano de estreia

Vinhos da Quinta do Portal no mais alto lugar
do pódio do International Wine Challenge


O primeiro Reserva Branco da «Quinta do Portal» foi brindado com uma medalha de ouro no International Wine Challenge. Em ano de estreia, este vinho do produtor do Douro, da colheita de 2015, conquistou o exigente júri pela sua “frescura e mineralidade”.
No mesmo concurso, com inúmeras provas cegas que conferem às avaliações uma grande credibilidade, também o «Quinta do Portal Moscatel Reserva 1996» ficou banhado a ouro pelos jurados, validando todo o trabalho que a equipa de enologia da «Quinta do Portal» vem desenvolvendo na produção de licorosos do Douro.
O «Quinta do Portal Reserva Branco 2015» resulta de um blend de diversas castas brancas durienses (em que se destacam a viosinho, gouveio, malvasia fina) plantadas no Vale do Rio Pinhão, a altitudes superiores a 500 metros. A fermentação iniciou-se em cuba de inox, tendo sido finalizada em cascos de carvalho usados, onde o vinho estagiou depois por 20 meses. De consumo polivalente, é um branco que não se agarra às harmonizações típicas de peixes e mariscos, podendo acompanhar o que costuma estar reservado aos tintos.
O «Quinta do Portal Moscatel Reserva 1996», (100% por cento moscatel galego) envelhece em cascos velhos de carvalho, bem ao estilo dos tawnies velhos. De cor aloirada, este vinho apresenta aromas de pêra e maçã verdes, e um caramelizado sem nunca deixar a elegância. Ideal para sobremesas.
Também o «Quinta do Portal Reserva Tinto 2015» foi medalhado neste concurso, arrecadando uma medalha de bronze. É outra das novas referências lançadas este ano pela empresa e que também promete ter um excelente comportamento, à semelhança do que aconteceu com os seus congéneres de anos anteriores.

Sobre a Quinta do Portal
Quinta do Portal é uma empresa que se dedica desde 1990 à produção de vinhos generosos e de mesa de elevada qualidade. Situada em Sabrosa, porta de entrada para a majestosa paisagem do Alto Douro Vinhateiro, Património Mundial da Humanidade, a Quinta do Portal desenvolveu uma política de internacionalização com participação regular nos maiores certames da especialidade, onde a qualidade dos seus vinhos e adega têm sido premiadas.

terça-feira, 29 de maio de 2018

Global Wines arrasa no «Dão Primores»

- Concurso «Vinhos de Portugal» também atribuiu ao «Casa de Santar Reserva Tinto 2013» Grande Ouro e Ouro ao «Cabriz Touriga Nacional Branco 2017»


Global Wines arrecadou o maior número de medalhas de ouro no concurso «Dão Primores», uma organização da Comissão Vitivinícola Regional do Dão (CVR do Dão), tendo ainda vencido o prémio “Grande Vinho do Dão”.
Assim, o “Grande Vinho do Dão” da colheita de 2017 é um Paço dos Cunhas tinto, vinho pelo qual, segundo o enólogo Osvaldo Amado “a empresa tem um carinho muito especial, uma vez que nele está bem patente o terroir e o carácter do Dão”. Intenso, elegante e harmonioso, com imenso potencial, segundo as notas do diretor de enologia da Global Wines, só deverá chegar ao mercado a partir do ano 2021.
Numa cerimónia realizada no Solar do Vinho do Dão, em Viseu, em que participaram 51 produtores regionais, coube à Global Wines ficar com 14 medalhas de ouro, seis para vinhos brancos e oito para vinhos tintos.

Ouro no Concurso «Vinhos de Portugal»
Mais de 1300 vinhos estiveram em prova no Concurso «Vinhos de Portugal», que distinguiu 16 dessas referências com o valioso prémio ‘Grande Ouro’. Uma dessas medalhas recaiu no «Casa de Santar Reserva tinto 2013», mas também o irreverente «Cabriz Touriga Nacional branco 2017» ganhou uma medalha de ‘Ouro’, atestando a consistência de qualidade dos vinhos com a chancela Global Wines. Neste Concurso, a Global Wines viu ainda outros dos seus vinhos arrecadarem seis medalhas de prata.
Estes galardões levam a que estes dois vinhos reservem lugar em alguns dos maiores certames internacionais da especialidade no decorrer deste ano, designadamente a «ProWine Shanghai», o «Romantic Encounter» do Japão, o «Campus Hamburgo» e as Provas de Varsóvia, Luanda, Zurique, Nova Iorque e Oslo.
Resta referir que o concurso «Vinhos de Portugal» é uma das grandes apostas do Plano de Promoção que a ViniPortugal desenvolve ao longo do ano. Levar os produtores nacionais a apostarem na melhoria contínua da qualidade e continuar a elevar a notoriedade dos vinhos portugueses junto de influenciadores e decisores estrangeiros que se deslocam até ao nosso país são os objetivos principais desta iniciativa.

Sobre a Global Wines
Criada em 1990 como Dão Sul, a Global Wines é hoje líder incontestada na região do Dão, detendo actualmente diversas marcas e quintas que, para além do Dão, lhe permitem actuar noutras das principais regiões vinícolas portuguesas, nomeadamente Douro, Bairrada, Estremadura e Alentejo, bem como no Vale de S. Francisco, no Brasil. Os diversos vinhos com a chancela Global Wines têm somado consecutivamente prémios nacionais internacionais e conquistando por isso o reconhecimento e a preferência dos consumidores, posicionando-se como como vinhos incontornáveis no panorama mundial.

Rui Nunes, presidente da Associação Portuguesa de Bioética

Eutanásia: antes de legislar, vamos debater e referendar!


1-  A Associação Portuguesa de Bioética, à semelhança do que fez na altura em que o tema da eutanásia entrou na agenda política, reafirma que esta matéria deveria ter sido alvo de um amplo debate na sociedade portuguesa e não circunscrever-se ao Parlamento.
2-  Legislar sobre esta matéria apressadamente, pode ser um caminho sem retorno, quando boa parte dos portugueses continua sem saber o que é a eutanásia, a morte assistida, o testamento vital, distanásia, ou ortotanásia. Por isso, esta associação volta a apelar para que se realize um referendo, preferencialmente depois de eleições legislativas, onde todos os partidos possam dizer aos eleitores o que pensam sobre este tema, coisa que não aconteceu no último sufrágio.
3-  Seria muito mais oportuno legislar sobre esta matéria depois da legitimidade conferida por um referendo e depois do País estar dotado de uma boa rede de cuidados paliativos.
4-  A montante, existem muitas matérias sobre as quais o debate foi praticamente nulo. Nomeadamente a questão ética, defendendo esta associação que para a legislação avançar será necessário alterar o Código Deontológico dos Médicos. Neste momento uma despenalização desta prática choca com os preceitos do código deontológico e do Juramento de Hipócrates, pelo que uma solução poderia passar por retirar do Código Deontológico da Ordem dos Médicos o artigo referente à proibição da eutanásia, tornando-o neutro, e remetendo qualquer decisão para o domínio da consciência individual do médico.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

António Ole comemora 50 anos de trabalho artístico

«Corpo&Alma» de António Ole
em exposição na Galeria SALA 117
Inaugura a 26 de maio


 «Corpo&Alma» é a exposição do mestre António Ole que a Galeria SALA 117, no Porto, inaugura já no próximo dia 26 de maio. Passadas cerca de três décadas da última mostra nesta cidade, o artista angolano regressa ao Porto com obras inéditas.
Após uma retrospetiva, em 2016, no Museu Calouste Gulbenkian, esta exposição, que estará patente até 15 de julho, surge no ano em que se assinalam os 50 anos de trabalho artístico de António Ole (1967-2017), com destaque especial para o caráter ecléctico da sua obra.
É no desenho, a sua disciplina precursora, que assenta o conceito principal da exposição de Ole. A série de dez desenhos, «Alma&Circunstância», resulta de um “resgate” ao acervo íntimo do artista, reunindo esquissos e textos poéticos. A estrutura do desenho propaga-se para as pinturas - conversa acabada, conversa interrompida e Rakung -, onde a linguagem do corpo exerce preponderância, com soluções recorrentes à cultura africana. Assim, ao falar-se de eclectismo na obra de António Ole, manifestado na escolha dos materiais, no ensaio das aderências e inclusão de outras disciplinas, como a fotografia e o vídeo, há todo um caudal híbrido na matriz poética do artista que distingue a sua prática.
Na instalação «Corpo Fechado», regista-se uma breve incursão no domínio do profano e do sagrado, como se um nkisi se tratasse, protetor de muitos males que afligem o mundo.
A consciência social que atravessa parte substancial da sua obra, reflecte-se nas temáticas que tem vindo a abordar, sem receio de tocar assuntos incómodos, como a escravatura ou o colonialismo, concedendo-lhes a necessária perenidade para não serem esquecidos.
António Ole, nos seus 50 anos de percurso no mundo das artes, presenteia  Portugal com uma exposição a não perder.
Sobre António Ole
Nascido em Luanda em 1951, o mestre António Ole é um dos nomes maiores da Artes Angolana, sendo o único artista a representar Angola na 57ª edição da prestigiada Bienal de Veneza, que irá decorrer entre 13 de maio e 26 de novembro, e onde será apresentado o projeto “Magnetic Memory / Historical Resonance”.
António Ole desenvolveu uma obra que vai da escultura à instalação, da pintura e colagem ao desenho e da fotografia ao filme. Com formação em Cinema, pelo American Film Institute de Los Angeles e em Cultura Afro-Americana pela Universidade da Califórnia, realizou a sua primeira exposição em 1967 e desde a sua estreia internacional, no Museum of African American Art de Los Angeles, em 1984, apresentou os seus trabalhos em várias exposições, bienais e festivais um pouco por todo o mundo, designadamente em Havana, São Paulo, Sevilha, Berlim, Joanesburgo, Dakar ou Amesterdão. Em 1975 ingressou, como realizador de programas, na Televisão Popular De Angola, experiência que lhe permitiu aprofundar de forma significativa o conhecimento do seu país de origem
Ole afirma-se como artista plástico, com esculturas inspiradas nos murais dos Tchokwe, produzindo também pintura moderna, cuja originalidade advém dos elementos tradicionais que são utilizados, sem rejeitar a polémica. Aos 19 anos, atraiu a atenção da crítica e do público, expondo no IV Salão de Arte Moderna de Luanda um quadro onde se pode ver o Papa Paulo VI a tomar a pílula.
Apesar de viver e desenvolver o seu trabalho em Angola, António Ole é hostil ao rótulo de artista africano, afirmando-se antes como um artista em trânsito pelo mundo e que absorve sempre algo pelos sítios onde passa.


Sobre a Galeria SALA 117
Constituída inicialmente como uma galeria itinerante, a SALA 117 dá particular atenção a projectos de relevante qualidade artística no domínio da Arte Contemporânea, pelo que a abertura do espaço na Rua Damião de Góis, no Porto, veio possibilitar um novo e alternativo ambiente, ponto de encontro entre artistas, obras de arte e público.

Os seus promotores, Olinda Magalhães e João Lopes, asseguram aos clientes um serviço de aconselhamento, avaliação e certificação de obras de arte.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Expositores prevêem facturar cerca de 5 milhões

Expocosmética mostra novas tendências de beleza
num setor que vale mil milhões de euros em Portugal

De 22 a 24 de abril


O setor da cosmética vale atualmente mil milhões de euros em Portugal, assumindo-se como um mercado em constante crescimento. Prova disso é o facto de a XXII Expocosmética, que tem lugar de 22 a 24 de abril, na Exponor, apresentar uma evolução exponencial, com um aumento de 15% da área vendida. São quase 9.000 m2 das mais inovadoras tendências deste mercado cheio de glamour e beleza. Com um volume de facturação prevista durante a feira a rondar os 5 milhões de euros, a Expocosmética afirma-se assim como a principal plataforma na promoção, divulgação e desenvolvimento de negócios no sector da cosmética em Portugal.
Ao longo de três dias voltados para a beleza e o bem-estar, e onde o mote é «Happy Girls are the Prettiest», não faltarão diversas demonstrações, apresentações de produtos, shows, fóruns de debate, desfiles, campeonatos e concursos. No campo da moda destaque para o desfile de Diana Pereira, que apresentará a sua coleção Botton, e o designer de moda convidado Luis Carvalho, que irá mostrar o cool e o chique das suas propostas Primavera/Verão, com referências ao estilo pop/rock dos anos 70 e inspiração no estilo de Debbie Harry, dos Blondie.
Uma das grandes novidades deste ano é o concurso «Master Make Up». A Expocosmética tem sido um motor da profissionalização do setor e volta a sê-lo promovendo a escolha do(a) melhor maquilhador (a) nacional amador (a). Apenas dez candidatos irão passar para a grande final, que terá lugar no palco da Expocosmética, dia 22 de abril. O vencedor terá a oportunidade para se profissionalizar, com uma formação na Academia de maquilhagem Lia Cardoso Makeup, organizadora da iniciativa.
Nesta XXII edição voltam ainda algumas das atividades paralelas que mais dinamizaram edições anteriores, como é o caso do «Backstage». Rompendo com a tradicional privacidade dos camarins, os visitantes poderão conhecer os bastidores de um grande desfile in loco e contactar com os cabeleiros profissionais, assim como poderão sentir toda a adrenalina própria de um momento ‘pré-espectáculo’.
De regresso à feira está também o «Secret Kit», desvendado por uma selecção dos melhores cabeleireiros, que indicarão cinco produtos revolucionários para um melhor tratamento capilar e que estarão em exposição permanente na feira, bem como o Challenge Barber Shop, que vai avaliar o melhor barbeiro de Portugal, numa final que tem a Expocosmética como palco. Será ainda a oportunidade para homenagear um dos mais antigos barbeiros portugueses em actividade, José Aventino da Silva, o rosto por detrás da famosa Barbearia Invicta, na cidade do Porto.
Sendo de beleza que se fala, Joana Feitas é um nome incontornável e que encaixa na perfeição como embaixadora da Expocosmética, e será certamente uma inspiração para todos os visitantes. A sua imagem é sinónimo de beleza e saúde, silhueta perfeita, sorriso contagiante, em suma um ícone de beleza. Várias figuras públicas marcarão presença na inauguração do evento, como Joana Duarte, Liliana Santos, Anita Costa ou Diana Pereira, entre outras.
Nesta Expocosmética estão ainda previstas sessões de bodypainting, um campeonato internacional de estilismo de unhas, assim como a apresentação das novas tendências de maquilhagem para a estação primavera/verão.
Carla Maia, diretora do evento, prevê “uma edição inesquecível, com muitas novidades e as mais recentes tendências do universo da beleza, cimentando a posição da Expocosmética como a grande mola impulsionadora de um setor que tem uma importância cada vez mais crescente na economia nacional”.
Para além do lado que exalta a beleza e o bem-estar físico e psicológico a Expocosmética é também, para os profissionais deste setor, uma grande oportunidade de estabelecer parcerias e celebrar negócios. É aqui que encontram as melhores marcas, assim como os produtos e técnicas mais avançados e com preços mais competitivos.
A Expocosmética, orgulha-se de ser uma feira líder no mercado ibérico e prepara-se assim para consolidar essa posição na edição deste ano, reinventando-se e criando novos mecanismos de interacção e troca de conhecimentos entre os profissionais e o consumidor final.



Em 2016 a Expocosmética contou com a visita de mais de 47 mil pessoas, o que representou um retorno financeiro importante para os 220 expositores que ocuparam os cinco pavilhões do maior recinto de feiras e congressos do Norte do País: a Exponor.

Evento de joalharia, moda e lifestyle em Lisboa

ICONIC levou mais de dois mil visitantes ao Convento do Beato



Mais de dois mil visitantes deslocaram-se ao Convento do Beato para visitar o ICONIC, evento de joalharia, moda e lifestyle, que pela primeira vez se realizou em Lisboa, no fim-de-semana de 7 a 9 de abril. Por aquele espaço centenário da capital, passaram algumas das melhores criações nacionais de novos talentos e nomes consagrados de um setor que atravessa uma fase de transformação e crescimento, concentrando as atenções dos profissionais e do público em geral. O evento contou ainda com a presença de alguns nomes bem conhecido do público português, como Liliana Santos, Vanessa Martins, Marta Melro, Fernando Mendes ou Joana Barrios, entre outros.

A conjugação de joalharia e moda foi a grande novidade desta primeira edição, apresentando um conjunto de tendências pensadas para quem aprecia um estilo de vida sofisticado e de bom gosto. A mulher esteve no centro do evento, subordinado ao mote «Girl Power», não só enquanto musa inspiradora para joalheiros e criadores em geral, mas também como reconhecimento da afirmação e da crescente influência que o eterno feminino vai conquistando na sociedade. Para dar corpo ao mote que guiou este evento, aconteceram momentos como as «Fast Talks», que se debruçaram sobre temas atuais e fracturantes relacionados com a mulher.
A indústria da joalharia marcou presença com mais de sessenta expositores, que apresentaram as mais recentes tendências do setor, e demonstração ao vivo de artes seculares, como é o caso da filigrana. As novas tendências da street art ou a moda dos mais cativantes novos estilistas portugueses, apresentada no Portugal Fashion Show Room, foram outros dos momentos que fizeram da primeira edição do ICONIC em Lisboa uma aposta ganha.

Amélia Monteiro, directora do ICONIC e da Portojóia, que todos os anos tem lugar na Exponor, mostrou-se “muito satisfeita pela forma como decorreu esta primeira edição em Lisboa”, frisando que “as empresas puderam acompanhar as tendências do mercado, tendo em vista novas oportunidades de negócio”. “O ICONIC foi também uma montra privilegiada para o público em geral apreciar o que de melhor se faz na joalharia e na moda nacional, dois setores que cada vez mais se complementam”, concluiu.


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Vinhos da Global Wines somam distinções internacionais

‘Casa de Santar Colheita Tinto Tinto 2014’ e ‘Cabriz Branco 2015’ integram a lista «Best Value» da Wine Spectator

A prestigiada revista de vinhos norte-americana "Wine Spectator" voltou a distinguir os vinhos da Global Wines colocando duas das suas referências entre os 100 vinhos «Best Value», pela excelente relação qualidade/preço demonstrada.
Depois de a mesma publicação ter atribuído o 46º lugar ao ‘Cabriz Colheita Seleccionada Tinto’ na sua lista anual dos 100 melhores vinhos, que milhares de produtores de todo o mundo gostariam de integrar, o ‘Casa de Santar Colheita Tinto 2014’ e o ‘Cabriz Branco 2015’ constam também da short list de vinhos que valem a pena adquirir.
O ano que agora finda foi particularmente positivo no que concerne aos resultados obtidos junto da crítica especializada. A empresa teve dezasseis dos seus vinhos a superar a barreira mítica dos 90 pontos, a partir da qual a qualidade de um vinho é incontestável. Estes resultados foram alcançados nas três publicações mais influentes dos EUA e com diferentes referências, das várias regiões vinícolas onde a Global Wines tem herdades e quintas. Prova de que a empresa atinge patamares de qualidade superior produzindo vinhos de excelência no Dão (Cabriz e Casa de Santar), na Bairrada (Quinta do Encontro) ou no Alentejo (Herdade Monte da Cal), conseguindo potenciar as características das castas típicas das diferentes regiões.
O ‘Casa de Santar Colheita Tinto 2014’, avaliado com 89 pontos, foi considerado pela equipa de provadores como sendo “um tinto firme com toque de estágio, mostrando na boca ameixa, cereja e taninos fortes”.
Já o ‘Cabriz Branco 2015’, que também obteve 89 pontos, impressionou os jurados da «Wine Spectator» por ser um vinho “muito elegante e bastante frutado, com sabor a especiarias e notas de melão e pêssego”.

Sobre a Global Wines
Cabriz é a marca líder do grupo Global Wines e os seus vinhos, assentes na qualidade da região do Dão, são produzidos no centro de vinificação de Carregal do Sal, a sede do grupo.
A Global Wines detém várias quintas que lhe permitem atuar nas principais regiões vinícolas portuguesas, nomeadamente vinhos verdes, Douro, Dão, Bairrada, Lisboa e Alentejo, bem como no Vale de S. Francisco, no Brasil. Os diversos vinhos com a chancela Global Wines somam prémios internacionais e conquistam reconhecimento público como produtos de alta qualidade. Nos últimos anos, a empresa fez investimentos nas suas áreas produtivas - vinha, receção, vinificação, armazenagem e engarrafamento –, implementou o sistema de HACCP, recebeu a certificação do Sistema de Gestão de Qualidade segundo a norma ISO 9001, e, mais recentemente, a exigente certificação IFS (International Food Standard).

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Rui Nunes abdica de candidatar-se à Ordem dos Médicos para centrar-se na Declaração Universal de Igualdade de Género

Proposta de redacção deve estar finalizada ainda este mês

Rui Nunes, presidente da Associação Portuguesa de Bioética e professor catedrático da Faculdade de Medicina do Porto, vai dedicar-se durante o próximo ano à criação da Declaração Universal de Igualdade de Género da Unesco, pelo que não vai formalizar a sua candidatura à Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos.


“Eu e a equipa que me acompanha temos uma tarefa muito exigente pela frente, que reclama muito tempo e dedicação, pelo que eram duas vertentes incompatíveis de conciliar nos próximos tempos”, considera Rui Nunes, que já iniciou um ciclo de conferências tendente a explicar aquilo que serão os traços gerais da Declaração Universal de Igualdade de Género, prevendo-se que até final do corrente mês possa apresentar um primeiro draft que estará posteriormente em discussão pública por um período de aproximadamente três meses.

Apesar desta decisão, o presidente da Associação Portuguesa de Bioética não exclui a possibilidade de integrar algum órgão, mostrando-se disponível para colaborar com a Ordem dos Médicos naquilo que entenderem que ele possa vir a ser útil. Todavia, a grande prioridade de momento será “esta causa internacional que tão bem recebida foi na UNESCO e que vai consumir muito tempo e dedicação, no desenvolvimento de contactos internacionais e numa campanha de sensibilização em países onde estas questões civilizacionais estão num patamar muito diferente do mundo ocidental”.

A proposta de criação da Declaração Universal de Igualdade de Género da UNESCO, subscrita por uma equipa liderada pelo médico e professor catedrático Rui Nunes, venceu um concurso público internacional em que participaram 120 países. O trabalho de campo está neste momento a decorrer, levando a questão a debate em várias capitais de distrito durante os próximos meses, contribuindo para que a Igualdade de Género seja um tema que entre definitivamente na agenda.

‘Cabriz Colheita Seleccionada tinto 2014’ é um dos 100 melhores vinhos do mundo!

A mais conceituada revista norte-americana "Wine Spectator" incluiu o Cabriz Colheita Seleccionada tinto no lugar 46 da sua lista anual dos 100 melhores vinhos, onde milhares de produtores de todo o mundo procuram entrar, mas onde só cabem os vinhos que superam as rigorosas e mais exigentes provas-cegas dos especialistas daquela publicação. Refira-se ainda que este foi o vinho Português melhor classificado na referida lista.
Esta é já a segunda vez que o Cabriz Colheita Seleccionada tinto conquista a difícil presença na prestigiante e emblemática lista, depois da mesma referência do Dão ter constado no "top 100" de 2011, confirmando assim a sua excecional relação qualidade/preço.
A lista dos 100 melhores vinhos, que a "Wine Spectator" revela desde 1988, é aguardada anualmente com grande expectativa, pois constitui um reconhecimento mundial de qualidade e é um invejado veículo de promoção. Ao contrário de outras classificações, assenta em provas-cegas em que os resultados são decididos antes de serem conhecidos os preços ou os produtores.
Com a nova distinção para o Cabriz Colheita Seleccionada tinto 2014, o produtor da Região Demarcada do Dão, detido pela Global Wines, contribui também, indiscutivelmente, para fazer subir a um escalão superior os vinhos de qualidade do nosso país, apenas um mês após a "Wine Spectator" ter inscrito Portugal na segunda posição da tabela dos cinco melhores países produtores a nível mundial, apenas atrás da Nova Zelândia e à frente de Argentina, Chile e Austrália.
Além disso, este tinto do Dão já tinha recolhido anteriormente opiniões muito favoráveis dos profissionais da "Wine Spectator", que lhe atribuíram 90 pontos em Abril passado e repetiram a distinção em Julho. O vinho foi ainda declarado "Sabor do Ano 2016" e arrebatou a Medalha de Bronze na International Wine&Spirits Competition 2015.
Produzido a partir das castas Alfrocheiro, Tinta-Roriz e Touriga Nacional, o Cabriz Colheita Seleccionada tinto 2014 apresenta uma cor rubi intensa, é frutado, com predominância de frutos vermelhos frescos, geleia de frutos do bosque, especiarias e notas tostadas. Na boca, é frutado, macio, elegante e harmonioso, tornando-se um acompanhamento de eleição para peixes assados no forno, carnes brancas assadas, carnes vermelhas guisadas e assadas e queijos macios. Servido a 18ºC, pode ser uma escolha aconselhada para consumir já neste Natal ou para deixar evoluir na garrafa durante três a cinco anos.

Sobre a Global Wines
Cabriz é a marca líder do grupo Global Wines e os seus vinhos, assentes na qualidade da região do Dão, são produzidos no centro de vinificação de Carregal do Sal, a sede do grupo.
A Global Wines detém várias quintas que lhe permitem atuar nas principais regiões vinícolas portuguesas, nomeadamente vinhos verdes, Douro, Dão, Bairrada, Lisboa e Alentejo, bem como no Vale de S. Francisco, no Brasil. Os diversos vinhos com a chancela Global Wines somam prémios internacionais e conquistam reconhecimento público como produtos de alta qualidade. Nos últimos anos, a empresa fez investimentos nas suas áreas produtivas - vinha, receção, vinificação, armazenagem e engarrafamento –, implementou o sistema de HACCP, recebeu a certificação do Sistema de Gestão de Qualidade segundo a norma ISO 9001, e, mais recentemente, a exigente certificação IFS (International Food Standard).