Número total de visualizações de página

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Restaurante «New Faces» celebra o amor com jantar requintado



O recém-inaugurado restaurante «New Faces», na praia da Granja, em Gaia, preparou um jantar de São Valentim que é uma verdadeira exaltação aos sentidos e ao amor.
Com o Atlântico como testemunha, este menu de degustação promete ser inesquecível e despertar, pelo menos, um dos pecados originais: a gula.
Com efeito, no próximo dia 14 de Fevereiro, as boas-vindas dão-se com um hipnotic para elas e um gin tónico para eles. Depois é deixar-se levar pelo despertar de todos os sentimentos e sentidos: o “desejo” surge com um queijo de cabra gratinado em cama de tosta de azeite e palha, molho de cassis e folhas secas de manjericão; a “tentação” com vieiras grelhadas sobre aveludado de batata ao molho agridoce. O prato de peixe, a “perdição”, consta de filetes de pregado recheados com camarão, em cama de milhos aromatizados com coentros, a “paixão” dispara com um lombinho de novilho em massa folhada com aromas de tomilho, cogumelos selvagens e cenoura salteados ao molho de foie-gras.
Um verdadeiro “pecado” para o paladar é a sobremesa que foi preparada para este menu de degustação com todo o “carinho”: um parfait de maracujá com molho de papaia e phsisalys fresca. Café e miminhos de chocolate, licor Beirão, Bailey`s e whisky novo rematam uma refeição inesquecível.
As reservas podem ser efectuadas através do 91 786515 / 22 0926914 / 22 0926905 e o jantar tem um custo de 80 euros por pessoa.

O mar Atlântico
por pano de fundo…

Com uma vista deslumbrante sobre a Praia da Granja o «New Faces», um espaço situado no Complexo de Piscinas da Granja, apresenta uma cozinha de autor e uma vasta variedade de vinhos, aliadas à animação, criam uma atmosfera cosmopolita, convidativa ao convívio a qualquer hora do dia. Ocupa uma área de cerca de mil metros quadrados, repartidos por dois pisos. Apresentando uma decoração minimalista e acolhedora, tem como objectivo oferecer aos seus clientes um ambiente agradável, requintado e confortável, onde a qualidade e variedade das refeições, a que se alia um serviço de excelência, conjugam na perfeição os paladares e as emoções.
O «New Faces» tem cumprido a promessa de levar à Praia da Granja o glamour de outros tempos. Durante o século XIX e até ao início do século XX a Granja, que chegou a ser considerada pela imprensa da época como “o bijou das nossas praias”, foi frequentada pela família real portuguesa, pela nobreza e por escritores como Eça de Queirós, Oliveira Martins, Sofia de Mello Breyner ou Antero de Quental.

«Casa das Pipas» convida para uma escapadela romântica no Douro!





O cenário imponente do Alto Douro é o palco ideal para retirar um dia dedicado ao romance. Para o Dia dos Namorados, a «Casa das Pipas», unidade de enoturismo da «Quinta do Portal», situada em Sabrosa, Vila Real, preparou um pacote especial para quem quer celebrar o amor instalado numa unidade hoteleira de charme, degustando pratos com elementos afrodisíacos, acompanhados por alguns dos vinhos de referência produzidos pela «Quinta do Portal».

O pacote “Douro Romântico” é todo ele feito a pensar em despertar os sentidos. Na recepção aos apaixonados, e antes de um jantar servido à luz das velas, quem optar por este programa terá à disposição queques de chocolate e vinho do Porto Cellar Reserve. A entrada consta de um bombom de alheira crocante e um creme de cenoura com especiarias afrodisíacas com camarão grelhado em mel. O prato de peixe é um delicioso filete de linguado com açafrão e o de carne uma vitela de leite em cama de feijão encarnado cremoso abraçado por legumes. Para terminar este romântico repasto, um vesúvio do “amor”, à base de chocolate branco, com amêndoa e geleia de vinho do Porto LBV, assim como “Beijinhos doces” de um sorvete de citrinos com amores-perfeitos, acompanhado de um Portal 10 Anos. O jantar tem um valor de 60 euros por pessoa.

Quem quiser prolongar os momentos de relaxamento a dois, usufruindo de algumas belezas naturais da região, efectuando, por exemplo, um passeio de barco rabelo no Douro, poderá ficar alojado na «Casa das Pipas», por 75 euros por pessoa, com pequeno-almoço incluído, havendo ainda a possibilidade de visitar o armazém de envelhecimento de vinhos desenhado pelo arquitecto Siza Vieira, que foi recentemente inaugurado.

Sediada em Celeirós do Douro, Sabrosa, a «Quinta do Portal»dedica-se ao conceito boutique winery, e, até há pouco tempo, especialmente à produção de vinhos DOC Douro, vinhos do Porto de categorias especiais e moscatéis. Mais recentemente começou a produzir azeite e conta, ainda, no seu projecto com uma vertente enoturística assente em duas unidades de turismo que têm merecido vários prémios. Os galardões conquistados nacional e internacionalmente pelos seus vinhos têm conferido a esta empresa uma marca de qualidade e distinção.

«Stock-off de Design e Decoração» cumpre a X Edição na Alfândega do Porto!






Entre 11 e 13 de Fevereiro, a Alfândega do Porto vai receber pelo terceiro ano consecutivo a «Stock-off de Objectos de Design e Decoração», que realiza a sua X edição. Paulo Cruz, mentor do conceito stock-off, deu vida a este projecto, pioneiro a nível nacional e mesmo internacional, em 2002, com a organização da I edição e que passados dez anos continua a contar com muitos dos expositores que marcaram presença na primeira edição, sinal claro da importância do evento para o escoamento de stocks.
O sucesso foi imediato e, nove anos depois, volta-se a apostar na mesma fórmula, hoje amplamente “copiada em vários sectores, tais como a moda e até mesmo a decoração”, salienta Paulo Cruz. “A relação qualidade/preço da feira vai continuar muito apelativa para o público, fazendo com que o volume de negócios previsto seja também muito apetecível para as cerca de três dezenas de expositores com que contamos para esta edição. É a nossa forma de combater esta fase de menor fulgor económico, e fomos os primeiros a fazê-lo”, acrescenta o referido responsável.
Assim, a sala poente do emblemático Edifício da Alfândega abrirá portas logo na sexta-feira, pelas 10h00, para que todos os visitantes tenham a oportunidade de adquirir objectos de decoração e design, provenientes de colecções de anos anteriores, de algumas das mais prestigiadas lojas e empresas da área, com descontos que podem chegar aos 80 por cento e que nunca serão inferiores a 30 por cento.
Bastidor, Tom Tom, Héstia, Kasadec, Casa do Passadiço ou Oficinas Gerais são apenas alguns dos expositores de prestígio que solicitaram a realização de nova feira, como forma de escoarem o seu stock, e que já têm presença assegurada nesta X edição, “que se deseja um pouco mais especial do que as anteriores, visto estarmos em tempo de crise e de ser, claro, uma edição que marca e atesta o nosso êxito ao longo dos últimos anos”, diz ainda Paulo Cruz.
A «Stock-off de Objectos de Design e Decoração», que se realiza anualmente, terá sido também o primeiro evento a nível internacional, deste género, a adoptar este método de comércio e é, desde o seu início em 2002, promovida pela empresa Oficinas Gerais.
A feira é já tida como uma referência no sector do design e arquitectura de interiores, sendo considerada uma oportunidade única de negócio para público e expositores, que vêem no evento, principalmente numa altura de dificuldades económicas, uma solução de real valor.

Resta referir que a «Stock-off» irá realizar-se nos dias 11 e 12 de Fevereiro, sexta-feira e sábado, entre as 10h e as 23h, e no dia 13, domingo, com abertura às 10h e encerramento às 20h. O valor da entrada será de 2 euros.

In-Arts: novo espaço multifacetado de arte no Centro Empresarial Lionesa




In-Arts é um espaço que apresenta um conceito inovador ligado ao mercado de compra e venda de arte que acaba de nascer no Centro Empresarial Lionesa, em Leça do Balio, Matosinhos. Este espaço oferece a todos os amantes, investidores ou coleccionadores, desta área, um leque alargado de serviços, que até ao momento só poderia ser alcançado de forma dispersa.
Cristina Gama e João Ventura são os responsáveis pelo In-Arts, que se propõe fazer uma gestão eficaz de colecções de arte, públicas ou privadas e peritagens avalizadas das obras, o que lhes confere autenticidade. Assegurando um acompanhamento qualificado a coleccionadores ou investidores sobre todo o processo que envolve a aquisição de uma obra de arte, os referidos responsáveis prestam um serviço de consultoria que assegura ao cliente um potencial alto de valorização. Numa altura em que a indefinição dos mercados continua a ser grande, a arte prefigura-se como uma fonte de ganhos de capital, sendo um investimento seguro quando bem trabalhado, uma vez que se rege pelas suas próprias convenções, não estando tão sujeito à volatilidade crescente dos mercados.
Este apoio personalizado estende-se também aos campos do restauro, pintura e escultura ou à busca e pesquisa de obras específicas solicitadas por potenciais clientes, seja uma obra avulsa capaz de constituir um ponto de partida para um interesse mais sólido pelo mundo da arte, seja um conjunto de obras escolhidas criteriosamente para completar e ampliar núcleos de colecções e pequenos conjuntos de obras de arte integradas em espaços familiares.
Eventos e muito mais
O In-Arts propõe-se ainda diversificar a oferta dentro do mercado da arte, nomeadamente através de exposições colectivas e individuais, desde os consagrados até aos novos valores que tentam saltar para a ribalta. O conjunto de eventos programados passa também pela organização de feiras ou bienais, leilões de arte e pelo desenvolvimento de produtos de merchandising.
Com objectivos, serviços, e posicionamento inovadores no mercado da arte, o In-Arts surge com uma oferta diversificada, num sector que resiste ao panorama económico sombrio do momento e que continua a ser uma aposta com risco muito reduzido para investidores.
A arte como “fonte de ganhos de capital”
De acordo com uma investigação levada a cabo recentemente pela Glenmede Trust Company, um instituto financeiro norte-americano que aplicou as técnicas de análise financeiras «Mei Moses» aos dados de mercado de arte, ficou demonstrado que o risco/retorno de uma boa obra de arte produz um ganho ligeiramente superior para cada unidade de risco, bem como um retorno bastante superior e com menos volatilidade do que a maior parte dos bens de investimento.
Também Clare McAndrew, economista-chefe na Kusin and Company, uma empresa oficial de investigação, especializada no investimento em arte revela, no livro «The Art Economy», que “o sector mundial da arte arrecadou mais de 50 biliões de dólares nas vendas efectuadas durante o ano de 2006”.
De acordo com a referida especialista, que trabalhou como consultora de projectos de arte para o Conselho de Artes de Inglaterra, a diferenciação dos bens ligados à arte prende-se com diversos factores: “São obras únicas, heterogéneas e não têm substituto próximo, por outro lado são bens de consumo portáteis, armazenáveis e duradoiros, ao mesmo tempo que são um recurso financeiro para investimento: o seu preço de mercado quase sempre valoriza ao longo do tempo, fazendo delas um valor seguro e também uma fonte de ganhos de capital”.
O In-Arts nasce assim como uma alavanca de optimismo no actual panorama económico!