Número total de visualizações de página

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Escultor Paulo Neves convida pequenos artistas a expor no seu ateliê


As obras dos “artistas de palmo e meio” já foram compradas por um particular e reverterão a favor de uma associação de crianças em risco!

 

 
Uma exposição de artistas de “palmo e meio” promete animar, neste Natal, o ateliê do escultor Paulo Neves, em Cucujães, concelho de Oliveira de Azeméis.

A convite do reconhecido escultor e do estúdio de arte inArts, os alunos do colégio portuense Tickles, que prima pela aplicação de um processo educativo ao som de música clássica e onde os alunos desenvolvem em permanência actividades ligadas às artes plásticas, vão ser chamados a desenvolver trabalhos alusivos ao Natal.

A exposição com mais de 80 desenhos da pequenada é constituída por trabalhos individuais dos alunos, com idades compreendidas entre um e sete anos, e estará patente a 15 de Dezembro, no mato, local onde está o ateliê do artista, e que é, segundo o próprio, “o centro do mundo”.

As “obras” em mostra já foram adquiridas por um particular, sendo que a verba angariada reverterá a favor de uma associação de crianças em risco. De acordo com Cristina Gama, responsável do colégio, “esta é mais uma oportunidade para as crianças trabalharem o seu lado criativo e podermos mostrar que a arte faz parte da nossa vida. Fazer mostra dessa criação e, no final, ajudar outras crianças que também necessitam, penso que também poderá despertar o lado solidário não só das nossas crianças, mas também dos seus familiares e amigos”.

Situado numa das zonas nobres da cidade do Porto, na Rua S. João de Brito, Boavista, o Tickles tem uma preocupação multidisciplinar no trabalho diário com as crianças. As artes e a música são duas áreas cruciais no processo de aprendizagem implementado por este colégio, uma vez que favorecem o desenvolvimento cognitivo, linguístico, psicomotor e sócio/afectivo das crianças. Para lá destas mais-valias, visíveis a longo prazo, a importância da música e das artes torna a escola mais alegre e mais receptiva, estabelecendo uma harmonia pessoal e facilitando a inclusão social e o equilíbrio psicossomático.