Número total de visualizações de página

terça-feira, 30 de julho de 2013

PortoJoia - a grande montra nacional de Joalharia, ourivesaria e relojoaria. De 26 a 29 de Setembro, na Exponor, em Matosinhos




Relojoaria e Ourivesaria - regressa à Exponor!


A PortoJoia – Feira Internacional de Joalharia, Relojoaria e Ourivesaria – regressa à Exponor entre 26 e 29 de Setembro para se voltar a afirmar como a grande montra nacional de um sector pujante e inovador, que tem mostrado a capacidade de Portugal em fazer bem.

Uma feira dirigida aos profissionais e empresas do sector e que está centrada na melhoria constante da oferta, quer através da promoção de eventos, quer com a introdução de novos factores de criatividade e estímulos a essa mesma criatividade. É nesse sentido que esta 24ª edição volta a instituir o Prémio PortoJoia Design, já na sua 9ª adição, e que este ano tem como tema escolhido a água, aproveitando assim o “Ano Internacional de Cooperação pela Água”.

O desafio está lançado aos estudantes e formandos de cursos de ourivesaria para que apresentem as suas propostas originais, a partir do referido mote. As obras estarão patentes no recinto da feira ao longo dos quatro dias do evento.

Esta é uma iniciativa que se tem mostrado determinante no aproximar dos estudantes ao mercado de trabalho, revelando novos talentos.

Tal como tem acontecido em edições anteriores, a perspectiva é de que seja possível fomentar negócios e relações comerciais entre expositores e visitantes, através das novidades que vão estar expostas.

Para lá do aspecto mais comercial, este certame é também tido como o grande fórum para pensar e repensar o sector.

As propostas patentes na PortoJoia costumam despertar grande interesse entre profissionais e empresários estrangeiros. Para esta edição estão convidados compradores, distribuidores e importadores de países como o Reino Unido, Rússia, Polónia, República Checa, Alemanha, Ucrânia, Hungria, Cazaquistão, Arménia, Omã e Emirados Árabes Unidos, que manterão reuniões bilaterais com vista a estabelecer negócio. E, atendendo a números de edições anteriores, estima-se que mais de 50 por cento dos contactos estabelecidos nestes encontros acabam por ser profícuos, redundando em negócios fechados.