Número total de visualizações de página

quinta-feira, 17 de outubro de 2013


Reabilitação urbana em Portugal
 
precisa de 200 mil milhões de euros

 
 

Numa altura em que, na Europa, os investimentos na reabilitação de edifícios já superam os montantes utilizados na construção de novas habitações, a Exponor leva a efeito a 26ª Concreta Feira Internacional da Construção para uma Regeneração Urbana Sustentável, entre 23 e 26 de Outubro, na Exponor.

De acordo com as estatísticas da Euroconstruc.-DAE17 que constam do guia que o Portal da Construção Sustentável vai apresentar no certame, na União Europeia o investimento médio na reabilitação cifra-se nos 33 por cento do total do setor da construção, o que representa um valor superior ao efetuado na construção de novas habitações, que se situa em 26 por cento.

Associada à questão da regeneração urbana está a preocupação com o desempenho energético dos edifícios que, em Portugal, está regulado desde 1 de Janeiro de 2009. De facto, não apenas na fase de utilização do ed¬ifício, mas considerando também a fase de obra, o sector da construção tem acentuadas responsabilidades no que respeita ao impacto ambiental negativo que lhe está adjacente. De en¬tre os vários impactos, salientam-se a produção de resíduos, o consumo de energia, emissões de CO2 e consumo de recursos naturais. “Este impacto está, sobretudo, associado à construção nova, e resulta do consumo de enormes quantidades de materiais, de matéria-prima e de energia”, explica a arquiteta Aline Guerreiro Delgado, dinamizadora do Portal da Construção Sustentável.

Representando a utilização dos edifícios, atualmente, 40 por cento do consumo de energia na União Europeia, com tendência para aumentar pelo facto do setor se encontrar em ex¬pansão, torna-se imperativo criar condições para que os edifícios, principalmente os existentes, passem a ser mais eficientes no âmbito do estabelecido no protocolo de Quioto.

A 26ª Concreta decorre na Exponor entre os dias 23 e 26 de Outubro, com as vertentes da Regeneração Urbana e Sustentabilidade, da Internacionalização e da I&D e Inovação. Dirigida a profissionais, a feira está aberta ao público no último dia, 26, funcionando diariamente entre as 10h00 e as 19h00.




Vinhos da Quinta do Quetzal conquistam Ouro

no prestigiado concurso Mundus Vini
 

 Os vinhos do produtor alentejano Quinta do Quetzal continuam a ver a sua qualidade reconhecida além-fronteiras.
O Quinta do Quetzal Reserva Tinto 2010 é um vinho que tem vindo a merecer vários prémios, aos quais se acrescenta agora esta medalha de ouro. Indicado para acompanhar carnes e peixes de longa confecção, apresenta-se Intenso e expressa frutos negros, envolvidos por tosta de madeira.
O novo Guadalupe Winemaker’s Selection Tinto 2009, que resulta de um rebranding da marca Guadalupe, foi um dos vinhos que conquistou ouro no Concurso Mundus Vini, a par do Quinta do Quetzal Reserva Tinto 2010.
Resultante das castas Syrah, Alfrocheiro, Alicante Bouschet e Cabernet Sauvignon, plantadas nos solos xistosos com acentuado declive da Quinta do Quetzal, o Guadalupe Winemaker’s Selection Tinto 2009 apresenta cor granada, com um aroma frutado e intenso, pelo que é aconselhado para consumir com pratos também eles complexos e intensos, segundo a equipa de enologia da Quinta do Quetzal, composta por José Portela e Rui Reguinga. Na boca revela uma boa estrutura e alguma complexidade. Com um teor alcoólico de 14 por cento, este vinho deve ser servido a uma temperatura a rondar os 16 graus, logo a seguir à compra, ou pode ser guardado até cinco anos em local fresco ao abrigo da luz.


Da gama Guadalupe, chega também ao mercado o Guadalupe Winemaker´s Selection Branco 2012, este produzido apenas com a tão característica casta alentejana Antão Vaz, que tem nos terrenos xistosos da Vidigueira um clima excepcional para produzir vinhos brancos de qualidade superior. Um vinho de cor citrina, aromas com notas de fruta fresca e muita mineralidade, ideal para acompanhar caldeiradas, peixe assado no forno e carnes brancas. Com um teor alcoólico de 13 por cento, deve ser bebido a uma temperatura de 12 graus e pode ser guardado até dois anos em local fresco.
Empresa, adega e equipa de enologia
O projecto da Quinta do Quetzal nasce da paixão do casal holandês Inge e Cees de Bruin por Portugal, pela Região Sul do País e muito particularmente pela nossa gastronomia. Depois de cerca de trinta anos de ligação a Portugal, com casa no Algarve, decidiram, em 2002, avançar com o projecto, começando a rentabilizar a Quinta do Quetzal, com 45 hectares de vinha localizados na freguesia de Vila de Frades, Vidigueira. Trata-se de uma região com ligações milenares à produção de vinho. Nas imediações ficam as ruínas da vila romana de S. Cucufate, onde foi descoberta a mais antiga adega da Península Ibérica.
A adega da Quinta do Quetzal é um projecto arquitectónico dos arquitectos eborenses Filipe Nogueira Alves e Margarida Direitinho. A inspiração está, por um lado, na adega da vizinha vila romana de S. Cucufate, datada do sec. I d.C. e, por outro, nos silos de cereais típicos da região do Alentejo.
Dessa inspiração nasceu a moderna adega da Quinta do Quetzal. Trata-se de uma adega redonda, definida por linhas puras e materiais contemporâneos. Na adega da Quinta do Quetzal, todo o processo de vinificação decorre num circuito que se inicia no topo da adega e termina na cave, aproveitando o efeito da gravidade, sem recurso a bombas mecânicas, mantendo a tradição e a ligação à história vitivinícola alentejana.

 


 

Mural Reserva Tinto 2010 no lote

de Melhores Compras da Wine Enthusiast

Os vinhos da Quinta do Portal continuam a alcançar distinções de monta junto da crítica internacional especializada. Uma vez mais um vinho deste produtor – o Mural Reserva Tinto 2010 -, integra a curta lista de 100 Melhores compras para a prestigiada Wine Enthusiast, uma das revistas mais influentes a nível mundial, que o classificou com 91 pontos.

Tendo na sua composição um blend de castas da região (Touriga Franca, Tinta Roriz e Touriga Nacional), este vinho apresenta coloração rubi, é denso e profundo, revelando aromas de especiarias com canela e também geleia de frutas vermelhas. O final é longo e complexo, revelando os benefícios do envelhecimento na garrafa.

Ainda recentemente, dois outros vinhos da Quinta do Portal figuraram entre as 100 melhores compras sugeridas para este ano pela prestigiada revista norte-americana «Wine & Spirits».

O «Quinta do Portal 2008 Douro Mural Reserva» e o «Quinta do Portal 2011 Vinho Verde Trevo Branco» alcançaram noventa pontos. A pontuação e relação qualidade/preço são parâmetros levados em conta pela equipa de provadores da revista para figurar entre a short list de 100 vinhos que podem integrar as ‘100 Melhores Compras para 2013’, de entre milhares de vinhos sujeitos a prova.

A Quinta do Portal, localizada na Região Demarcada do Douro, mais precisamente em Celeirós do Douro, no vale do rio Pinhão, abraçou o conceito ‘Boutique Winery’, dedicando-se à produção de vinhos DOC Douro, Vinhos do Porto de categorias especiais e Moscatel do Douro, tendo sido distinguida pela «Wine & Spirits» como uma dos 100 top Winery of the World.

Possui, ainda, um complexo enoturístico constituída por duas unidades hoteleiras de charme, a «Casa das Pipas» e a «Casa do Lagar» e um armazém de envelhecimento de vinhos desenhado pelo arquitecto Siza Vieira.