Número total de visualizações de página

terça-feira, 29 de outubro de 2013


Produtores de vinho da Vidigueira unem-se para criar

a marca distintiva ‘Vidigueira Wine Lands’
 

Cientes de que juntos são mais fortes, seis produtores de vinho da região da Vidigueira vão avançar com um projecto conjunto de promoção dos seus produtos e da sua região, de forma a aumentar a notoriedade de ambos, quer a nível nacional, quer a nível internacional.

A nova Associação Vidigueira Wine Lands (VWL) avança assim com os seguintes produtores: ‘Quinta do Quetzal’, ‘Herdade Grande’, ‘Casa Agrícola HMR - Herdade Monte da Ribeira’, ‘Ribafreixo wines’, ‘Adega Cooperativa da Vidigueira’, ‘Cuba e Alvito’ Vitifrades- ADL’ e ‘Herdade de Lisboa - Paço de Infantes’, bem como a Câmara Municipal da Vidigueira, como sócio-honorário, que se propõem contribuir para o desenvolvimento socio-económico do concelho. Um trunfo precioso da Vidigueira e que se pretende alavancar quer nacional, quer internacionalmente é o terroir desta região, que marca de forma única e indelével os néctares ali produzidos.

Os solos xistosos e graníticos estão identificados como tendo condições únicas para, por exemplo, a produção de vinhos brancos de qualidade superior.

Aliás, o vinho é a grande alavanca da economia de um concelho singular nas condições de que dispõe para produzir vinhos de excelente qualidade. “É uma região com história, com carácter, que tem produtores comprometidos com a excelência e o saber fazer, sendo também estas razões pelas quais será criado pela VWL um selo de «garantia de genuidade»”, revela Reto Jörg, presidente eleito da Vidigueira Wine Lands.

Ainda nos intentos desta associação está a criação “de um modelo de enoturismo que evidencie a região da Vidigueira como um destino vínico e gastronómico de eleição”, acrescenta Reto Jörg.

Numa altura em que o mercado consumidor procura diferenciação, personalidade e carácter na oferta, a marca Alentejo, apesar de sobejamente conhecida, quer a nível nacional, quer a nível internacional, não expressa toda a singularidade das sub-regiões que a integram, como é o caso da Vidigueira. “Queremos, por isso, promover e valorizar uma das marcas distintivas desta sub-região, por exemplo, “dar paternidade a uma casta típica e nobre, como é o caso da Antão Vaz”, revela Reto Jörg.

Independentemente do estilo próprio e posicionamento de cada um dos produtores fundadores da VWL, há um objectivo comum a todos: o compromisso com princípios de excelência, que esta associação pretende reforçar, designadamente, no aproveitamento de sinergias entre os seus membros.