Número total de visualizações de página

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

EMAF cresce 40% e aposta
nas exportações da indústria nacional
- de 19 a 22 de novembro na Exponor


 Mais expositores, mais novidades e maior aposta nas exportações são os principais vetores da 15.ª EMAF - Feira Internacional de Máquinas, Equipamentos e Serviços para a Indústria que, entre 19 e 22 de novembro, revela na Exponor o que de mais avançado se faz na fileira industrial portuguesa.
Contando com um grande envolvimento da AIMMAP – Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal, o certame regista neste ano um crescimento do número de expositores superior a 40%, com cerca de 340 empresas industriais já confirmadas, e reflete a pujança de um setor onde as tecnologias de produção são preponderantes, tendo em conta que produzem bens de suporte à produção dos demais setores.
Essa expressividade no contexto da economia portuguesa está patente num estudo promovido pela Exponor juntamente com o PRODUTECH – Pólo das Tecnologias de Produção, onde se constata que, no universo das indústrias transformadoras do país, as tecnologias de produção respondem por 11% das empresas, ou seja, por 7.834 empresas. Asseguram também 8% da mão-de-obra, ao que correspondem 53 mil postos de trabalho, e geram 7% do volume de negócios, totalizando 5.335 milhões de euros, de acordo com os dados disponíveis.
Por outro lado, a monografia temática e setorial dá conta que a fileira das tecnologias de produção tem vindo a registar “um aumento fortíssimo da sua orientação para o exterior”. O resultado foi que a taxa de cobertura das importações pelas exportações passou de 48%, em 2004, para 63%, em 2011, notando-se ao mesmo tempo uma diversificação dos mercados-destino, com Angola a assumir a liderança desde 2012.
O estudo Exponor/PRODUTECH, assinado pela Sociedade de Consultores Augusto Mateus & Associados, salienta ainda nas conclusões que, não obstante a evolução registada, a falta de dimensão crítica das nossas empresas traduz-se numa limitação do setor, na medida em que o não aproveitamento de economias de escala/gama dificulta o processo de internacionalização; acresce a inexistência de uma política comercial agressiva nos mercados externos, o baixo conhecimento dos mesmos e a escassez de pessoal qualificado.
Desta forma, diversos aspetos do estudo atestam a crescente importância de uma feira como a EMAF, que recebeu cerca de 36 mil visitantes na edição anterior. O certame constitui simultaneamente uma montra do que mais evoluído se faz no setor e um estímulo para se fazer ainda melhor, sendo prova disso a inclusão no evento da 7.ª edição do Concurso de Inovação. Promovido em colaboração com a «Revista Robótica», visa premiar as empresas e os projetos que, nos últimos dois anos, mais se notabilizaram no desenvolvimento de tecnologias e soluções inovadoras, assim como no processo produtivo nacional. Serão atribuídos o «Prémio Leonardo Da Vinci» (inovação nacional) e o «Prémio Nicola Tesla» (inovação internacional) a criações que tenham viabilidade concreta e que sejam orientadas para a solução de problemas objetivos.
Ainda nesse espírito, realiza-se no dia 20, entre as 14h00 e as 17h30, o seminário “Inovar e Empreender” que inclui intervenções de vários especialistas e assinala os 25 anos da «Revista Robótica», terminando com a cerimónia de entrega do Prémio Inovação.
Também em simultâneo, a Exponor organiza a FIMAP - XVIII Feira Internacional de Máquinas para Trabalhar Madeira e o FERRÁLIA - XIII Salão de Acessórios e Equipamentos para a Indústria da Madeira.

As mais diversas áreas industriais marcarão assim presença neste certame de referência, desde os plásticos às borrachas, máquinas e ferramentas, manutenção industrial, fundição, logística e transportes, química e laboratórios, robótica e informática aplicadas à indústria. 

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Feira e salão na Exponor, em simultâneo com a EMAF

FIMAP/FERRÁLIA apresenta novidades
da fileira florestal e das madeiras

- eventos industriais de nível internacional entre 19 e 22 de novembro

A grande montra de tecnologia, equipamentos e novidades ligadas à fileira florestal e das madeiras regressa à Exponor entre 19 e 22 de novembro, para a FIMAP – Feira Internacional de Máquinas para Trabalhar Madeira que, mais uma vez, se realiza em paralelo com o FERRÁLIA – Salão de Acessórios e Equipamentos para a Indústria da Madeira.
Os dois eventos, que se tornaram já um marco obrigatório e de nível europeu nos negócios relacionados com a fileira florestal e a madeira, atingem neste ano as 18.ª e 13.ª edições, respetivamente, confirmando um longo historial de promoção e parceria com os agentes económicos. Acresce que a dupla FIMAP/FERRÁLIA vai decorrer em simultâneo com a EMAF – Feira Internacional de Máquinas, Equipamentos e Serviços para a Indústria, o que permite potenciar a facilitação de negócios em cada um deles, como é objetivo primordial da Exponor.
Sendo altamente especializados, FIMAP e FERRÁLIA apresentam-se como a plataforma ideal para a apresentação de soluções e inovações dirigidas a toda a cadeia de valor industrial.
De acesso reservado a profissionais, estes eventos terão as portas abertas diariamente das 10h00 às 20h00 e ali poderão encontrar-se produtos e equipamentos ligados ao trabalho da madeira aos mais diversos níveis, incluindo derivados, e também colas, tintas e outros produtos químicos, caixilharias, ferragens, ferramentas, equipamento de aspiração e software.
O perfil do visitante é também muito vasto e vai de arquitetos e decoradores a carpinteiros, instaladores, reformadores, associações, cooperativas, escolas e centros de formação, fornecedores grossistas, indústria auxiliar e subcontratação.

Concurso promove I&D
A realização simultânea das três feiras é aproveitada pela EMAF para alargar aos expositores da FIMAP e do FERRÁLIA o desafio de participarem também no seu Concurso de Inovação, que vai agora para a 7.ª edição.
O concurso, fruto de uma parceria com a «Revista Robótica», visa conferir maior visibilidade e reconhecimento às componentes de investigação e desenvolvimento, destacando a sua importância crucial para a evolução da indústria das tecnologias de produção.

Neste enquadramento, o 7.º Concurso de Inovação vai atribuir os dois prémios habituais - Inovação Nacional (Leonardo da Vinci) e Inovação Internacional (Nicola Tesla) - aos produtos considerados de excelência, com incorporação de alto índice de inovação. A avaliação das candidaturas respeitará os aspetos de conceção, originalidade e operacionalidade dos produtos apresentados, sendo os projetos vencedores alvo de destaque em espaço próprio enquadrado na feira.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

«Time2Export» prepara empresas
para negócios com o exterior

- a 12 de novembro na Exponor


Preparar as empresas para melhor explorarem as oportunidades de negócios que a economia global oferece em 20 mercados concretos é o principal objetivo do «Time2Export - Summit - global business», um evento de características muito práticas e objetivas que a Exponor – Feira Internacional do Porto estreia a 12 de novembro.
Compreendendo diversos workshops simultâneos de curta duração, entre as 9h30 e as 19h00, e ainda uma exposição com agentes económicos de referência ligados ao processo de internacionalização e um espaço de networking, a 1.ª edição do «Time2Export» conta com a participação de mais de duas dezenas de oradores de prestígio e com vasta experiência de negócios além-fronteiras. A meta é fornecer aos profissionais e empresas informações vitais, ferramentas e possibilidades de estratégia para exportar e/ou internacionalizar os seus negócios para 20 mercados da Europa, África, Américas e Médio Oriente, tendo em conta a complexidade do processo que tais opções implicam.
O evento, com diferentes modalidades de participação (individual, empresas, com ou sem espaço de exposição e promoção), é especialmente dirigido a responsáveis e decisores de PME da indústria, serviços e agricultura, responsáveis e técnicos de mercado, operações, logística, finanças, comercial e marketing, empreendedores e investidores.
“Trata-se de uma oportunidade única para ganhar um melhor conhecimento dos mercados, avaliar oportunidades de negócios e ter acesso a soluções costumizadas”, considera o diretor de Feiras e Congressos da Exponor, Filipe Gomes.
Dado o caráter prático desta iniciativa, o «Time2Export» apresentará também casos de experiências de internacionalização já concretizadas com sucesso nos diferentes mercados e em diferentes setores.
“Enquanto parceiros privilegiados das empresas, queremos levar até elas informação detalhada sobre soluções e serviços de valor acrescentado, tanto para as que têm vocação exportadora como para as que se encontram em processo de internacionalização”, aponta Filipe Gomes.
O «Time2Export» conjuga, por isso, as vertentes de formação e de informação com a possibilidade de aprendizagem e troca de experiência entre profissionais no domínio da internacionalização. Conta igualmente com os contributos de variadas empresas e entidades oficiais, incluindo o patrocínio do Montepio e a presença de 14 Câmaras de Comércio Bilaterais e duas dezenas de expositores.
“Pretendemos contribuir decisivamente para alavancar as exportações nacionais e para diminuir o risco para as empresas através de uma melhor preparação/informação sobre mercados”, acrescenta o diretor, recordando a importância de que as exportações se revestem para o desenvolvimento do País, de geração de riqueza e equilíbrio da nossa balança comercial.


Collove desfilou a sensualidade
da sua colecção Outono/Inverno

Qualidade, versatilidade, conforto, estilo e elegância são traços da colecção Outono/Inverno da Collove, marca de collants e roupa interior sem costuras que mostrou a sua colecção ao público da In Beauty, feira de cosmética, estética e beleza, que teve lugar, no passado dia 11 de Outubro, na MEO Arena.
Uma linha ecléctica, com soluções mais jovens e trendy ou mais clássicas, mas capaz de responder às diferentes necessidades da mulher moderna, activa, que procura no que veste conforto e simultaneamente, design e qualidade.
Perante uma plateia de cheia de caras conhecidas, como Liliana Campos, Débora Montenegro, Jéssica Athayde, Alexandra Fernandes ou Andreia Dinis, as manequins da Collove desfilaram os collants, meias, bodies, t-shirts, soutiens e diferentes modelos de cuecas, com padrões mais sóbrios ou mais quentes, num cenário de sensualidade e glamour que prendeu a atenção de alguns dos milhares de pessoas que passaram pela feira.
Trata-se, aliás, de uma colecção que segue as tendências de moda além-fronteiras e que teve excelente aceitação em feiras internacionais de moda onde a marca esteve presente, designadamente Paris e Bogotá, na Colômbia.
A marca distingue-se no segmento em que actua pelo fabrico do vestuário sem costuras, o que permite uma maior flexibilidade e conforto no quotidiano.

Comercializada pela Custoitex, a Collove está presente, para além de todo o território nacional, nos mercados norte-americano e europeu, depois de ter, recentemente, avançado para a internacionalização. Desde que foi criada, em 1976, mantém-se como uma empresa familiar com elevado know-how na produção de collants e roupa interior sem costuras. A gerência da empresa, que emprega cerca de 70 pessoas, é da responsabilidade de Sandra Morais. 

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Congresso e Assembleia Geral da UFI realiza-se neste mês

Exponor foi escolhida para a direção
da indústria mundial de feiras

A Exponor acaba de ser reeleita para o Board of Directors da UFI – The Global Association of the Exhibition Industry, a principal associação mundial da chamada “indústria de feiras”.
Membro desde 1991, a Exponor vinha já integrando nos últimos anos o órgão diretivo da instituição, ao qual cabe implementar as decisões tomadas na Assembleia Geral realizada anualmente, desenvolver a política da UFI e preparar as propostas relacionadas com questões que afetam as feiras internacionais, que são depois submetidas a votação em Assembleia Geral.
O novo mandato, relativo ao triénio 2015-2017, tem início no próximo dia 30, imediatamente após a Assembleia Geral da organização, integrada no 81.º Congresso que decorre, entre 29 de outubro e 1 de novembro, em Bogotá, na Colômbia.
A UFI - The Global Association of the Exhibition Industry foi criada em 1925 e é a mais representativa associação da designada “indústria de feiras” a nível mundial. Conta atualmente com mais de 600 membros, de 85 países, entre organizadores de feiras, proprietários de parques de exposições e associações nacionais e internacionais da indústria de feiras e respetivos parceiros.



Vinhos da «Quinta do Quetzal» chegam
‘engravatados’ ao mercado

Três tintos do produtor alentejano «Quinta do Quetzal» vão chegar brevemente ao mercado com um elegante adereço no gargalo das garrafas que pretende fazer reflectir o brilho e prestigio conquistados recentemente pelos vinhos no concurso internacional Ultimate Wine Challenge.
As distinções foram atribuídas por um júri internacional integrado por 24 respeitados sommeliers, escanções e jornalistas especializados, a quem agradaram particularmente as características organolépticas dos vinhos Quetzal Reserva Tinto 2010, Guadalupe Winemaker’s Selection Tinto e Guadalupe Tinto 2011, ou seja, a totalidade de candidatos com que o produtor português se apresentou a concurso.
Em prova cega sobre mais de 850 vinhos de regiões vitivinícolas de todo o mundo, o Quetzal Reserva Tinto 2010 conquistou 95 pontos e a classificação de "Extraordinário", o Guadalupe Winemaker’s Selection Tinto 2010 somou 93 pontos e foi considerado "Excelente" e o Guadalupe Tinto 2011 obteve igualmente 93 pontos e as classificações de "Excelente" e "Great Value" por parte dos especialistas.
Dado o significado de tais prémios, a Quinta do Quetzal vai agora ornamentar de forma distinta algumas das suas garrafas, nomeadamente as da gama Guadalupe, de forma a comunicar ao público este motivo de orgulho para os vinhos nacionais.
Assim, o gargalo das garrafas Guadalupe Tinto, Rosé e Branco, Guadalupe Winemaker's Selection Tinto e Branco adoptará o formato de uma gravata, acessório de vestuário conotado com a elegância, personalizando desse modo a marca. Ao mesmo tempo, a Quinta do Quetzal confere mais classe às garrafas também em termos estéticos, estabelecendo um "diálogo" com o consumidor em que pretende enfatizar a reconhecida qualidade dos seus vinhos a nível mundial.
Os resultados alcançados revestem-se de particular significado, tanto para o produtor como para o setor vínico português, uma vez que ganhar em três categorias diferentes não pode ser visto como mera coincidência, mas sim como o resultando de uma avaliação rigorosa e imparcial por parte de um júri de idoneidade reconhecida.
Na nota de avaliação, os 24 peritos apontaram que o Quetzal Reserva Tinto 2010, além de merecer as classificações de “Finalist, Extraordinary, Ultimate Recomendation”, é um vinho de «cor profunda, vermelho rubi e que no nariz é simplesmente maravilhoso, pois apresenta camadas de framboesa maduras e ameixa preta combinadas com notas de cacau e baunilha. Tem estilo e charme em abundância».
Por sua vez, o Guadalupe Winemaker’s Selection Tinto 2010, considerado “Finalist, Excelent Highly Recomended”, é um vinho com uma cor quase negra e opaca, intensamente frutado e onde se destacam as passas e a ameixa, tendo o júri referido o seu sabor intenso, espalhando quase uma fragância a chá, que juntamente com a textura acetinada do néctar completa uma experiência extraordinária.

Quanto ao Guadalupe Tinto 2011, vinho de entrada de gama que conquistou o painel de provadores e foi igualmente classificado como “Excelente”, ostenta cor bordeaux forte, apresenta-se concentrado e generoso, com notas de frutos secos e madeira, revelando uma moderada presença de taninos e baga seca. Apresenta-se, além disso, com uma excelente relação qualidade/preço. Por tudo isto, os membros do mais conhecedor e exigente júri do mundo apontaram que os vinhos da Quinta do Quetzal são «World Class».


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Novidades de cosmética e beleza
atraíram mais de 20 mil pessoas!

Numerosas figuras públicas, beleza e muito glamour dominaram durante três dias a MEO Arena, em Lisboa, onde, entre sábado e segunda-feira, decorreu a In Beauty - Feira Internacional de Cosmética, Estética e Cabelo, que teve como Embaixadora a modelo Débora Montenegro.
Liliana Campos, Andreia Dinis, Jéssica Athayde, Merche Romero, Alexandra Fernandes, Mónica Sofia e Rubim foram algumas das muitas caras conhecidas que marcaram presença, sendo de destacar um momento fora do habitual, logo na abertura, com Débora Montenegro a soprar as velas do bolo do seu aniversário.
Esta segunda edição da In Beauty, que foi visitada por mais de 20 mil pessoas, apresentou também as mais recentes novidades e tendências em produtos, marcas, técnicas e equipamentos ligados à cosmética, cabelos, unhas e cuidados pessoais.
A enorme afluência de visitantes, tanto profissionais como de público em geral, justifica-se pelo modelo do evento, que aliou à vertente de feira especializada e profissional um vasto programa de iniciativas paralelas, designadamente shows, passagens de modelos, demonstrações e concursos.
Registando um crescimento em número de expositores e de área de exposição, que ultrapassou os 7.000 metros quadrados, esta segunda edição esteve distribuída pelas três grandes temáticas: os fashion shows de cabelos, as colour trends a nível de unhas e a inspiração zen no tocante aos cuidados de estética.
Com organização de diferentes marcas, empresas e associações profissionais, não faltaram desfiles, experiências de maquilhagem, workshops, casting, bem como um o «III Campeonato Nacional de Nail Art», organizado pela Nail Couture.

A 2.ª In Beauty deixou os expositores “muito satisfeitos” e, de acordo com vários depoimentos recolhidos, com a certeza de que “valeu a pena apostar nesta feira. As conclusões são coincidentes com as da diretora da feira, Carla Maia, para quem "a 2.ª edição da In Beauty confirma ter sido acertada a decisão estratégica da Exponor ao avançar para este tipo de organização em Lisboa. Para o ano cá estaremos novamente!".
25ª PortoJoia mostra pujança
dos setores de ourivesaria, relojoaria e joalharia

 A 25ª edição da PortoJoia, para lá do simbolismo inerente à data, revelou-se como uma alavanca para um reposicionamento da feira, estando a organização a criar um comité que contribua com sugestões inovadoras e que permitam uma ainda maior valorização do setor e do evento.
Cerca de oito mil profissionais ligados aos setores da ourivesaria, relojoaria e joalharia passaram pelo recinto da feira durante os quatro dias da mostra, para ver as novidades e as novas coleções dos mais de 100 expositores que marcaram presença.
Uma das novidades futuras desta feira acontece já em maio de 2015,  altura em que a PortoJoia levará até um espaço de charme da capital do País um evento direcionado para marcas, em que a alta joalharia e o ouro estarão em alto destaque. Para este evento de estreia, fora daquilo que têm sido as fronteiras da PortoJoia, será convidado um estilista para organizar um desfile de moda, aproveitando as sinergias com áreas tradicionais do têxtil e do calçado, setores que têm também vindo a impor-se, conquistando vários mercados externos.
Na feira deste ano, foi notória uma maior confiança por parte dos expositores de um setor que nos últimos anos se reorientou para a exportação, dada a retração do mercado interno, pelo que a presença de compradores estrangeiros foi uma oportunidade para as empresas celebrarem parcerias, mostrarem produto e fecharem negócios.
Na 25ª edição, a feira teve um espaço dedicado especificamente à joalharia de autor e aos designers, o "Trends by PortoJoia", e estreou a iniciativa "Photo by PortoJoia", associando a moda e a ourivesaria à fotografia.
Preocupação desde a primeira hora da PortoJoia é a ligação dos jovens ao mercado de trabalho, revelando talentos e ideias inovadoras, que criam mais-valias na oferta junto dos compradores e empresas. É o caso do «Prémio PortoJoia Design», que visa projetar os nomes dos novos profissionais do mundo das joias, dando a possibilidade aos jovens designers de divulgarem o seu trabalho. As peças selecionadas no âmbito do «Prémio PortoJoia Design» estiveram em exposição durante os quatro dias do certame, tendo saído vencedora a criadora Maria Manuela Xavier.

O «Espaço Escola», por seu lado, potencia também a necessidade de enveredar por um caminho de inovação e valorização do design na conceção dos trabalhos, com o objetivo de aproximar as escolas ao mercado real de trabalho, mostrando como se aplicam e cruzam técnicas ancestrais e inovadoras na fabricação de joias de adorno pessoal e peças decorativas.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

EUA e Canadá são destinos preferenciais
de exportação dos vinhos da Quinta do Portal

Os Estados Unidos da América são cada vez mais o principal mercado de referência para as exportações dos vinhos da Quinta do Portal, produtor vitivinícola do Douro que tem vindo a aumentar o seu volume de vendas ao exterior de forma acentuada, tendo, no ano passado, atingido cerca de dois milhões e 500 mil euros.
Actualmente, os EUA representam já 20% das vendas da empresa no estrangeiro, de entre os cinquenta países onde os vinhos da Quinta do Portal marcam presença. O vizinho Canadá é outro país que assume uma importância relevante, perfazendo ambos cerca de 30% do volume total de exportações.
Se a tendência se mantiver, e os dados disponíveis apontam nesse sentido, “dentro de aproximadamente cinco anos, Canadá e Estados Unidos ultrapassarão o mercado nacional como destino de preferência dos nossos vinhos”, assegura Manuel Castro Ribeiro, director-geral da empresa.
A qualidade intrínseca do produto é a grande mais-valia para o sucesso da entrada dos vinhos nestes mercados. Uma qualidade atestada pelas mais renomadas revistas da especialidade com sede nos Estados Unidos, como são o caso da «Wine Enthusiast», «Wine Spectator» ou a «Wine Advocate», publicações que de uma forma consistente têm atribuído notas bastante elevadas aos vinhos deste produtor nos seus painéis de prova.
A boa rede de distribuição e uma relação qualidade/preço muito apetecível são outros factores determinantes para a conquista deste exigente mercado, mas o vasto portefólio de vinhos, que permite um leque de escolha alargado para as mais diversas harmonizações, também é um factor fulcral. Os DOC Douro são o naipe de produtos mais procurados, “dado o seu carácter e o espectro de novidade para aquele mercado, que procura novos produtos de uma região que eles reconhecem mais pelo vinho do Porto”, sustenta Castro Ribeiro. A categoria «Colheita Tinto» tem sido o porta-estandarte da gama de entrada neste mercado. Mas os vinhos do Porto de 10 e 20 anos também registam um comportamento muito assinalável.

A relação entre a Quinta do Portal e o mercado americano estende-se também ao número crescente de turistas que se deslocam até à Casa das Pipas, unidade de enoturismo deste produtor. Contudo, é convicção do director-geral da Quinta do Portal que “há um grande trabalho ainda a fazer para cativar mais turistas norte-americanos, e não só, a visitarem esta região”.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

«Fun Day» promete fim-de-semana de diversão
total na Exponor entre 11 e 12 de Outubro

O nome diz tudo. «Fun Day» promete momentos de lazer e diversão para toda a família na Exponor, entre os dias 11 e 12 de Outubro. Depois de uma primeira edição que levou milhares de crianças até ao recinto do maior Centro de Exposições e Congressos do Norte do País, este ano a aposta está reforçada, ocupando o evento uma área total de 20 mil metros quadrados, onde a diversão atravessa dois pavilhões com distintas formas de animação, com as atividades a serem acompanhadas por monitores especializados, o que garante a segurança dos participantes.
O «Fun Day», uma organização da empresa «My Dynamic», tem as atividades tripartidas em áreas temáticas diferentes, consoante a idade, as preferências e o grau de aventureirismo das crianças: espaço infantil, zona divertida e spot radical. Para os mais pequenos, estão assegurados os indispensáveis insufláveis temáticos, o bosque encantado, a quintinha, palhaços, hello kitty, piscinas de bolas e ateliês diversos. Na zona divertida, existirão pistas de obstáculos para testar a perícia, trampolins, escorregas gigantes, fun&cicle e um mickey park. Os mais radicais também têm um circuito à sua medida, dynamic bungee, matrecos humanos, crazy cars e jogos de gladiadores, num ambiente de adrenalina ao rubro.
Para complementar a oferta, destaque ainda para uma Área Extra, onde as crianças e jovens terão um acompanhamento mais personalizado por parte dos monitores da «My Dynamic», bem como outro tipo de equipamentos e ações de diversão, tais como parede de escalada, dynamic ride, bungge basket, bumper balls e uma zona de tiro ao alvo com paintball.
Paralelamente, o «Fun Day» terá ainda ateliês de pintura faciais, caricaturas, modelagem de balões, entre outros.
Para as compras antecipadas, que podem ser feitas na Exponor ou no MarShopping, o custo é de 8 euros ou de 12 euros para o bilhete gold, que dá acesso à Área Extra. Se comprados no local, os bilhetes custam 9 euros (entrada normal) ou 14 euros para o bilhete gold.

O «Fun Day» dirige-se a crianças entre os 2 e os 16 anos de idade, podendo ser acompanhadas por dois adultos, que têm entrada gratuita.