Número total de visualizações de página

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Dos 100 melhores vinhos do mundo a melhor relação preço/qualidade é do Douro:
o ‘Quinta do Portal Colheita Tinto 2011’ e o ‘Mural Reserva 2011’

Mais vinhos do Douro distinguidos
pela imprensa mundial

A imprensa mundial especializada está definitivamente rendida aos vinhos portugueses e acaba de anunciar a distinção para mais dois tintos produzidos no Douro, ambos na Quinta do Portal, classificados como “melhor relação qualidade/preço” e “melhor opção de compra” pela “Wine Spectator” e pela “Wine Enthusiast”, duas das mais importantes publicações do sector.
Depois de vários prémios conhecidos na semana passada, que puseram aquela região sob especiais atenções internacionais, as prestigiadas revistas  anunciaram agora que também o "Douro Quinta do Portal - Colheita Tinto 2011" e o "Mural Reserva 2011" constam das suas listas anuais de vinhos particularmente aconselhados.
No caso da "Wine Spectator", que divulgara o Top 10 da lista de 2014 - entre os quais se encontravam três da região do Douro (Dow's Port, Chryseia Douro e Vale Meão Douro) -, a revelação integral dos 100 melhores vinhos do ano a nível mundial só foi conhecida nesta semana e inclui mais um tinto duriense, cabendo ao "Douro Quinta do Portal - Colheita Tinto 2011", assinado pelo enólogo Paulo Coutinho, a vitória em termos de qualidade/preço. O mesmo vinho figura no 27.º lugar na lista global, com 92 pontos.
O tinto da Quinta do Portal é considerado o vinho mais versátil da casa em termos gastronómicos. Tendo como casta dominante a Tinta Roriz de vinhas localizadas a partir dos 350 metros de altitude, conjuga-as harmoniosamente com a Touriga Nacional e a Touriga Franca para um estágio de nove meses em barricas de carvalho francês. O resultado é um néctar fresco e sedutor, de cor intensa e aromas de frutos vermelhos, encorpado e com fim aveludado.
Entretanto, também a igualmente conceituada “Wine Enthusiast” divulgou nesta semana o seu esperado guia de compra “Best of Year 2014”, onde dá conta que o "Mural Reserva 2011" foi acolhido com particular agrado pelos especialistas, que lhe atribuíram a 91.ª posição na lista de melhores vinhos a comprar neste ano.
Touriga Franca, Tinta Roriz e Touriga Nacional conjugam-se com mestria neste tinto parcialmente envelhecido em casco de carvalho francês, que está a suscitar comentários muito positivos de várias outras publicações estrangeiras e a contribuir fazer subir ainda mais a reputação internacional da produção vinícola portuguesa.
O “Mural Reserva 2011” apresenta-se com boa concentração e uma acidez muito equilibrada, sendo um vinho elegante, muito agradável na boca e com um final longo.

Refira-se que a Quinta do Portal está sediada no concelho de Sabrosa, onde possui o complexo enoturístico Casa das Pipas que conquistou o prémio «Best of Wine Tourism» e foi considerado pela revista «Forbes» como um dos melhores dez destinos vinhateiros do mundo.


Dias 27 e 28 de Novembro, na Casa do Infante

Academia Europeia das Ciências
vem ao Porto antecipar o futuro

Vários dos mais reputados investigadores e cientistas internacionais vão encontrar-se no Porto, a 27 e 28 de novembro, para refletir sobre «O futuro da Ciência no Séc. XXI: Ciência e Ética», no âmbito de uma iniciativa da Academia Europeia das Ciências (EURASC). O evento, que tem lugar na Casa do Infante, integra um simpósio com palestras sobre temas de diversas áreas que têm efeitos objetivos para o cidadão comum, bem como reuniões magnas dos órgãos da academia e um painel de conferências pelos mais recentes premiados pela EURASC devido aos seus trabalhos de investigação em diferentes domínios, da matemática à medicina, à física, à engenharia, à química e à computação, entre outros.
“Vamos ter entre nós alguns dos expoentes mundiais da atualidade nos campos das diversas ciências e da investigação”, sublinha o professor de medicina Rui Nunes, coordenador do "Porto, Cidade de Ciência" que, juntamente com o Pelouro da Educação, Organização e Planeamento, apresentou a candidatura da Câmara do Porto à organização do evento, vencendo a várias outras propostas europeias de relevo.
"Esta é uma excelente oportunidade conquistada pela cidade para trazer a ciência até aos cidadãos e estimular neles o interesse pelo conhecimento científico, já que vamos refletir sobre questões concretas que têm a ver com o dia-a-dia de qualquer pessoa", sublinha Rui Nunes. Depois de Bruxelas, Bolonha, Atenas, Milão, Liège e Toulouse, chega assim a vez de o Porto organizar esta iniciativa com forte impacto no turismo e na cultura científica internacional, que constitui também uma promoção do potencial do Porto para a realização de eventos internacionais, devido à notoriedade da EURASC e ao prestígio dos seus membros.
A primeira intervenção do simpósio vai questionar se o Homem deve ou não aproveitar a capacidade que tem de intervir sobre o oceano para diminuir o efeito de estufa e o aquecimento global. A interrogação será lançada por Paul Tréguer, professor emérito do Instituto Europeu para os Estudos Marinhos (IUEM), na Universidade da Bretanha Ocidental, em Brest (França).
A propósito dos atuais tempos de crise, o professor Simon Berkovich, do Departamento de Ciências de Computação da Universidade George Washington, por sua vez, vai recordar que um dos maiores medos da espécie humana é o medo de uma ideia nova, e lançar a provocação: “Podemos dar-nos ao luxo de esperar mais 50 anos sem apoiar verdadeiramente ideias novas?”.
Com abertura pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, e pelo presidente da EURASC, Claude Debru, historiador e filósofo que se debruça sobre as ciências da vida e da medicina, o simpósio inclui uma palestra sobre os desafios das ciências dos materiais a propósito da influência biológica das nanopartículas, pelo professor João Rocha do Departamento de Química (CICECO) da Universidade de Aveiro.
As questões da ética, que dominam o encontro, serão alvo de duas palestras, nomeadamente por Claude Debru, que falará sobre a ética na formação dos cientistas e dos médicos, e por Rui Nunes, que é o responsável pela Bioética e Ética Médica na Faculdade de Medicina da UP e presidente da Associação Portuguesa de Bioética. Rui Nunes falará sobre «Ciência, ética e bioética», analisando diversos aspetos polémicos relacionados com a temática, dos direitos individuais à vertente legal, passando pela perspetiva moral e outras.
Serão igualmente levantadas questões como as da ética na investigação animal, pela investigadora Anna Olsson, do Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC) da UP, e a da eventual ameaça da ciência pela moda com a consequente alienação de um modelo de desenvolvimento verdadeiro e criativo das gerações jovens, por Manuel García Velarde, professor emérito da Universidade Complutense de Madrid e especialista em física de fluidos.
A par do simpósio, também na Cerimónia de Prémios a EURASC apresenta questões científicas sob a forma de palestras, contando para tal com as participações de nomes particularmente distintos na comunidade científica mundial e que a própria Academia Europeia das Ciências galardoou neste ano com a Medalha Blaise Pascal. São os casos do químico galês Sir John Meurig Thomas, a partir de cujo nome foi chamado o fosfato Meurigite; do matemático alemão Eberhard Knobloch, presidente da Sociedade Europeia para a História da Ciência; do químico alemão Hubert Schmidbaur, que tem estudado principalmente as propriedades do ouro e da prata; do oceanógrafo francês Jean-Pierre Gattuso, estudioso do ciclo do carbono e dos impactos das mudanças globais nos oceanos; e do físico suíço Daniel Loss, especialista em quântica e matéria condensada.

A Academia Europeia das Ciências é uma das principais instituições europeias e mundiais, no âmbito das academias de ciência. Com mais de 700 membros, incluindo um vasto número de laureados com o Prémio Nobel, é uma organização independente sem fins lucrativos, não-governamental, que visa estabelecer uma colaboração internacional entre governos, investigadores, engenheiros e cientistas.

‘Óscares’ do imobiliário de retalho a nível mundial

TANYA HEATH vai aos Mapic Awards
com as lojas do Porto e Paris
- vencedores são conhecidos a 20 de Novembro


A primeira loja portuguesa da marca de tacões e sapatos de senhora TANYA HEATH Paris, recentemente inaugurada no Porto, foi nomeada juntamente com a casa-mãe, em Paris, para a final dos Mapic Awards. Trata-se de uma prestigiada competição internacional que funciona como os “Óscares” no sector imobiliário de retalho e cujos vencedores serão conhecidos a 20 de Novembro.
Tendo a marca mais de uma dezena de lojas por todo o mundo, esta nomeação, na categoria de “Best new retail concept”, assenta numa candidatura conjunta das lojas de Paris e do Porto. A distinção põe assim debaixo dos focos o espaço situado na zona portuense de "Miguel Bombarda", cuja concepção tem a assinatura de Mário Azevedo e Paula Ferreira Alves, do INAIN – Gabinete de Arquitectura e Design de Interiores.
Criados em 1996, os Mapic Awards distinguem anualmente a excelência, inovação e criatividade no imobiliário de retalho a nível mundial, tendo já premiado marcas e conceitos como Sonae Sierra, The Body Shop, Primark, Adidas, McDonald's e Desigual. Além do reconhecimento e prestígio, o galardão confere grande visibilidade aos nomeados pois envolve os melhores projectos e as maiores empresas a nível mundial, sendo escrutinado pelo próprio sector.
«É um enorme orgulho e, ao mesmo tempo, uma grande responsabilidade a notícia desta nomeação para a final, apenas um mês após termos inaugurado a loja», admite a dupla de empresários Paula Andrade e Henrique Leite, responsável pela estreia da marca no nosso país. «Independentemente do resultado» - acrescenta-, «é um forte estímulo e ajuda-nos a avançar com a decisão de levar a TANYA HEATH Paris a outras regiões e, mesmo, a outros mercados lusófonos».
Agora sob as atenções mundiais, a loja portuguesa apresenta os inovadores sapatos concebidos pela criadora franco-canadiana Tanya Heath, os quais mudam de estilo com uma simples e prática troca de saltos/tacões. Mas o espaço é, também ele, uma concepção original a partir de uma antiga galeria de arte: com um painel de retroprojecção virado para o exterior, onde são exibidos pequenos filmes demonstrativos da facilidade de troca dos saltos dos sapatos e da qualidade de fabrico, a loja tira partido da grande visibilidade por se situar num cruzamento de muita circulação de carros e peões. Tem o interior dominado por traços modernos e um atractivo expositor de saltos, dispondo ainda de uma área de exposição de arte contemporânea, no piso inferior, com peças de vários autores.
A 19.ª edição dos Mapic Awards contemplou candidaturas em diferentes categorias por subsectores e estratégias de negócio, indo a da TANYA HEATH Paris + Portugal disputar com as francesas Causses e Sport d'époque e a italiana Out of Gluten o prémio de “Melhor novo conceito de retalho”. A alemã C&A, a espanhola 100 Montaditos e a italiana Illy são algumas das nomeadas noutras categorias.
As candidaturas foram analisadas durante o mês de Outubro por um júri internacional e os vencedores serão revelados a 20 de Novembro, numa cerimónia a realizar durante o “Mapic”. Trata-se de uma grande feira sectorial que, durante três dias, reúne em Cannes, França, 300 dos mais influentes profissionais do sector de todo o mundo, bem como centenas de empresas e marcas e mais de 8.000 participantes nas vertentes de exposição, conferências e eventos de networking.

Desde a sua criação, os Mapic Awards receberam já 1.600 candidaturas e atribuíram 118 troféus a marcas/empresas/conceitos de 40 países, contribuindo para promover a ousadia, a criatividade e a capacidade empreendedora em diversos domínios.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Criopreservação de pessoas abre
ciclo de conferências sobre bioética
- a 17 de Novembro na Faculdade de Medicina da UP


 As perspectivas da ética na controversa temática da criopresevação de pessoas vão ser analisadas pelo médico e professor Rui Nunes, numa conferência pública a realizar a 17 de Novembro, pelas 18h00, na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.
A sessão inaugura o ciclo de conferências sobre «Bioética: uma ponte para o futuro», que decorrerá naquela faculdade até Junho do próximo ano, por iniciativa da Unidade Curricular de Bioética e Deontologia Médica do Mestrado Integrado em Medicina.
Aberta a toda a comunidade académica da Universidade do Porto e aos profissionais do Centro Hospitalar de São João, a iniciativa "pretende sensibilizar a comunidade académica e a sociedade em geral para alguns dos problemas éticos mais candentes da medicina, da biologia e da genética", explica Rui Nunes, diretor do Departamento de Ciências Sociais e da Saúde da FMUP e promotor da iniciativa.
"Com a colaboração de especialistas portugueses e brasileiros de bioética e de biodireito, pretende-se, também, incentivar a criação de uma perspectiva luso-brasileira neste domínio, com vista à geração de sinergias e de legislação com referências éticas semelhantes", acrescenta o professor universitário, também presidente da Associação Portuguesa de Bioética.
A Unidade Curricular de Bioética e Deontologia Médica tem como objetivo essencial o ensino, e consequente aprendizagem, da ética nos cuidados de saúde, muito em particular no que diz respeito à dimensão ética da saúde e da doença e sua relação com a profissão médica. No plano dos conceitos, está focada na transmissão tão ampla quanto possível das teorias éticas mais representativas do pensamento humano, de modo a que seja viável a integração desses conceitos na tradição humanista característica das sociedades modernas ocidentais.
Após a conferência de Rui Nunes «Crioética: ética da criopreservação de pessoas», a 17 de Novembro, o ciclo prosseguirá em Dezembro com a análise do «Testamento vital no Direito brasileiro», pelo jurista Fernando Horta Tavares, e da «Ética e gestão da Saúde», por Guilhermina Rego, professora da FMUP e vice-presidente da Câmara Municipal do Porto.
Em Janeiro, a professora Stela Barbas, da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, relacionará «O Direito, a Ética e a Saúde», seguindo-se em Fevereiro «Novas fronteiras da genética», por Natália Oliva Teles, bióloga especializada em genética humana e bioética, e «Ética e Ordens Profissionais», pelo bastonário da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Telmo Baptista, psicólogo clínico e psicoterapeuta.

O ciclo contempla ainda uma conferência sobre «Ética médica e pedofilia», em Março, por Miguel Leão, neuropediatra especialista em Genética Médica e presidente do Conselho Nacional de Ética e Deontologia Médicas da Ordem dos Médicos, realizando-se a sessão de encerramento em Junho, com a especialista em biodireito Helena Pereira de Melo, professora da FMUP, a debruçar-se sobre a «Ética e pessoa com deficiência».
Casos de violência entre menores, sobretudo no namoro, já são 10 por cento do total de queixas

«Educação +»: projecto pioneiro da ADDIM pretende
que a sensibilização contra a violência comece nas escolas



O mês de Novembro é especialmente dedicado à luta contra todos os tipos de violência. É nesse contexto que, no dia 20, a ADDIM, Centro de atendimento à Vítima do Porto, vai promover uma jornada contra a violência doméstica e participará, dia 22, numa marcha na Baixa do Porto contra a violência doméstica e de género.
Um dos projectos que a associação está a desenvolver denomina-se «Educação+» e pretende trabalhar a cidadania, a igualdade de género e o respeito pelos Direitos Humanos junto dos alunos das escolas do concelho do Porto, abrangendo mais de 1100 adolescentes.
A necessidade de começar este trabalho de sensibilização na adolescência é cada vez mais premente, facto comprovado pelo número crescente de queixas de violência entre menores. “Das 27.318 queixas apresentadas no âmbito da violência doméstica, 10% foram participadas por menores de 16 anos. A violência nas relações de namoro assume entre os jovens valores inquietantes de vitimação e de perpetração. No namoro há muita violência e os agressores são os rapazes, mas também as raparigas”, revela Carla Mansilha Branco, presidente desta IPSS, acrescentando que “a violência é biunívoca, difere do contexto de violência conjugal onde as vítimas são esmagadoramente mulheres”.
Em marcha desde o passado dia 13 de Outubro, o projecto «Educação+» terminará no final do presente ano lectivo e constará de treze sessões de esclarecimento com especialistas, divididas pelos três períodos escolares, onde a ADDIM vai tentar “que no final os jovens sejam capazes de perceber os sinais de alerta de uma situação de violência no namoro, ou de bullying, e que eliminem comportamentos assentes em crenças, tais como ‘ciúmes é prova de amor’, ou que se deve responder à violência com violência”, sustenta Carla Mansilha Branco. E, para que sejam capazes de reagir perante estes sinais, pretende-se que os jovens em idade escolar consigam “desenvolver competências comunicacionais que lhes permitam resolver os conflitos tendo por base o diálogo e a assertividade”. Nos últimos anos o combate à violência doméstica tem sido feito utilizando estratégias de intervenção secundárias e terciárias, isto é, atacando o problema quando ele já está instalado. O trabalho que está a ser levado a cabo pela ADDIM privilegia a detecção precoce de sinais de violência e a intervenção imediata.
Segundo a World Health Organization, factores como as características biológicas, a influência parental e comunitária, drogas ou gangues são determinantes para o jovem desenvolver comportamentos violentos. A resposta passa pela consciencialização para as consequências de actos violentos e a escola constitui-se como um espaço onde esses comportamentos são evidenciados, uma vez que é lá que grande parte deles passa mais tempo por dia. “É um espaço de transmissão de saberes e aprendizagem, mas também o palco onde se desenvolvem as primeiras amizades, relacionamentos amorosos e onde são aplicados os valores culturais e educacionais que lhes são transmitidos pelo meio em que se inserem”, sublinha a responsável da ADDIM.
Criada a 3 de Setembro de 1999, a ADDIM surgiu da vontade de um grupo de cidadãs que, sensíveis aos obstáculos em denunciar crimes de violência perpetuados contra mulheres e crianças, tomou a iniciativa de fundar uma associação que as defendesse, promovendo a valorização pessoal, profissional e social das suas utentes no combate à exclusão social e à perpetuação da diferença.

No ano passado, a associação inaugurou um novo centro de acolhimento, a funcionar na Rua Bento de Jesus Caraça, no Porto, num espaço cedido pela Santa Casa da Misericórdia do Porto.