Número total de visualizações de página

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Rui Nunes alerta para a necessidade de rastreios de saúde à população estudantil


O presidente da Associação Portuguesa de Bioética, Rui Nunes, revela que “é impressionante o número de crianças que ouve mal e a sociedade não tem noção de que isso acontece”. São situações que estão latentes “e que muitas vezes passam despercebidas, ao nível da audição, visão, locomoção ou problemas respiratórios”, alertando para a necessidade de apostar numa prevenção eficaz e numa educação para a saúde.

Durante o seminário sobre «Carreiras Especiais para os Não-Docentes», organizado pela Federação Nacional de Educação e pelo Sindicato dos Técnicos Superiores, Assistentes Técnicos e Assistentes Operacionais e que decorreu na Lixa, este professor catedrático da Faculdade de Medicina do Porto sugeriu que cada escola ou agrupamento de escolas deverias ter um profissional de saúde a trabalhar junto delas para uma identificação precoce dos problemas de saúde dos corpos discentes dos estabelecimentos de ensino.
Ciente de que esta é uma escolha para a qual têm de ser alocados meios humanos e financeiros, o presidente da Associação Portuguesa de Bioética crê que “muitas vezes é tudo uma questão de melhor gestão, melhor distribuição e melhores escolhas e com os mesmos recursos conseguimos fazer mais”.
Numa intervenção marcada pela necessidade de uma educação para a saúde, Rui Nunes exortou a que sejam criados mecanismos que permitam antecipar alguns dos problemas de saúde previsíveis face às mudanças na sociedade, adoptando-se um estilo de vida mais consentâneo com esta realidade. “Se apostarmos na dimensão preventiva, não só de rastreio e de diagnóstico, mas de prevenção na educação para a saúde estaremos mais perto de resolver uma série de eventuais problemas”, defende o professor catedrático da Faculdade de Medicina do Porto.
Na sua intervenção, Rui Nunes enfatizou, ainda, a necessidade de acolher e integrar as crianças e jovens estudantes com necessidades educativas especiais, com surdez profunda, com autismo ou outras situações de incapacidade.


Sem comentários:

Enviar um comentário