Número total de visualizações de página

terça-feira, 29 de novembro de 2016

'OFICINA' gastronómica desafia para almoço em mesa comunitária

Restaurante OFICINA continua a surpreender pelas mãos do Chef Marco Gomes

O projecto 'OFICINA', situado na Rua de Miguel Bombarda, no “coração” do centro artístico e da vida nocturna do Porto, tem uma nova e surpreendente proposta que consiste, exclusivamente ao almoço, em sentar os convivas de forma aleatória à volta da mesa e servir iguarias da cozinha tradicional portuguesa.


Este serviço de almoço em mesa comunitária é praticado na sala do piso 1 do 'OFICINA', o restaurante que articula as inovadoras propostas de arte contemporânea e as inspirações culinárias do Chef Marco Gomes.
Assim e enquanto o piso térreo mantém o serviço "à carta", na sala superior, com uma mesa onde cabem 25 pessoas, "cada cliente chega e senta-se onde houver lugar, tendo acesso a especialidades da cozinha portuguesa diferentes consoante o dia da semana". Outra das novidades é o serviço, já que este é feito "sem empratamento, pois é quase tudo cozinhado em tacho e os clientes podem repetir à vontade", aponta o Chef Marco Gomes, sintetizando que "isto é cozinha tradicional pura e dura".
O menu contempla um 'couvert' de pão e azeite com vinagre balsâmico, uma sopa ou creme "sempre diferentes, mas tradicionais e mais fortes no Inverno". Segue-se o prato de referência do dia, que será anunciado semanalmente e fixado diariamente. Uma sobremesa, também diferente todos os dias e tendo a fruta como alternativa, além de água, vinho branco ou tinto (de várias regiões) a copo e café completam a nova proposta de almoço, que está disponível por 19,50 euros, entre as 12h30 e as 15h00, de segunda a sexta-feira.
O 'OFICINA', que faz dos tempos passado, presente e futuro uma amálgama de desejos, de espaços de sedução e inesperados encontros, não pretende ser apenas mais um restaurante. Numa apropriação de Magritte, dir-se-ia mesmo que o 'OFICINA' não é um restaurante, pelo menos no sentido clássico e restritivo do termo, pois todo o seu conceito está ancorado numa sólida ideia de partilha, de diversidade, de descoberta, de fusão, até de apropriação das narrativas propiciadas por múltiplas aproximações a dois universos na aparência tão distantes e, afinal, tão próximos: a Gastronomia e a Arte.
O próprio edifício, na Rua de Miguel Bombarda, corporiza uma inusitada capacidade de transformação, já que foi, em tempos, um espaço de reparação de automóveis. As reminiscências permanecem, como numa tela reutilizada por um pintor, e os traços de identidade não foram apagados nem escondidos. Antes foram valorizados pelo especialista em design de interiores Paulo Lobo, de modo a comporem um novo discurso estético e arquitectónico, a que se acrescenta uma intervenção artística de Pedro Cabrita Reis.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Maior impressora do mundo vence Concurso de Inovação da EMAF

“Uma impressora 3D que orgulha a empresa e o País”, assim se referiu Tiago Faro, director técnico da ADIRA, a um dos produtos com que a empresa concorreu ao 8º Concurso de Inovação promovido em parceria pela EMAF e pela Revista Robótica e que viria a arrecadar o ‘Prémio de Inovação Nacional’.

O concurso, que coloca em avaliação aspetos de conceção, originalidade e operacionalidade, encontrou o vencedor por unanimidade do júri, valorizando uma proposta que passa a ser “a maior máquina de impressão do mundo para peças metálicas de qualquer dimensão”, como sublinhou o responsável da ADIRA durante a entrega dos prémios, que decorreu na Exponor, durante o segundo dia da EMAF - Feira Internacional de Máquinas, Equipamentos e Serviços para a Indústria.
Nesta categoria, destaque ainda para duas menções honrosas. Uma para um scanner 3D da Tecnirolo e uma outra para a SEW-Eurodrive, que submeteu a apreciação um robô com uma velocidade de transmissão mais rápida.
O presidente do júri desta iniciativa e director da Revista Robótica, Norberto Pires, enfatizou “a qualidade de todas as catorze propostas que foram apresentadas”, uma prova de que “Portugal está num patamar de excelência em matéria de investigação e desenvolvimento”. Para demonstrar a importância desta área no peso da economia social, reforçou com os dados das exportações, vertente que “representa 15 mil milhões de euros de volume de negócios”.
Outro galardão do concurso é o Prémio de Inovação Internacional, que foi atribuído à ABB, com o robô colaborativo YUMI, uma solução de robótica industrial com um revolucionário software de controlo de movimento.
Este ano foi introduzida uma nova categoria, o ‘Prémio Inovador’, mais ligado às universidades e centros de desenvolvimento, que premiou a Sarkkis, uma spin-off da Universidade de Coimbra. Um outro robô corporativo, dirigido a ganhos de eficiência na área da metalomecânica.
A feira industrial EMAF abriu as portas na passada quarta-feira e prolonga-se até sábado. Com 430 empresas expositoras e toda a área comercializável ocupada, é a maior feira que a Exponor realiza de há dez anos a esta parte. Praticamente todos os setores industriais estão representados na mostra, tornando o certame um dos maiores da Europa na fileira industrial.

A organização estima que possam passar pelo recinto do Centro de Exposições do Norte do País cerca de 40 mil pessoas durante os quatro dias de funcionamento da feira.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Armanda Passos exibe na SALA 117 obras "Sobre Papel" dos anos 80 e 90

Admiradores, amigos e apreciadores da obra de Armanda Passos, entre os quais várias figuras públicas, encheram a Galeria SALA 117, no Porto, para participar na inauguração da sua mais recente exposição. "Sobre papel" é o nome da exposição que ali ficará patente durante cerca de um mês, até 17 de dezembro, constituindo uma oportunidade singular para observar trabalhos realizados por Armanda Passos nas décadas de 80 e 90, que nas palavras da poetisa Adília Lopes, são assim descritos: “A imaginação é a liberdade, a saúde. Escusado será dizer que é isto que vejo nos desenhos e nas pinturas de Armanda Passos.”

Num total de 24, tratam-se de pinturas recorrendo a guache, pastel seco e aguada, que mostram um período do percurso artístico de Armanda Passos, com os seus traços característicos, as suas cores singulares e as texturas próprias dos materiais utilizados.  
Inaugurada há cerca de um ano, a Galeria SALA 117 beneficia da experiência acumulada dos seus promotores, ao longo de vários anos, na divulgação da Arte Contemporânea, numa linha de permanente procura e seleção de novos artistas, em paralelo com a mostra de nomes consagrados que constituem investimentos seguros, quer para coleccionadores quer para os apaixonados por arte.
Nesse espírito, e após já ter exposto trabalhos de artistas como Helena Magalhães, José de Guimarães ou Júlio Resende, este espaço abriu agora as suas portas a um dos maiores nomes da pintura portuguesa – Armanda Passos - com a exposição “Sobre Papel”. A artista, aliás, já está representada no acervo da SALA 117, a par de Ângelo de Sousa, Arpad Szenes, Baltazar Torres, Bengt Lindstrom, Fernando Lanhas, José Rodrigues, José Pedro Croft, Júlio Pomar, Júlio Resende, Manuel Cargaleiro,  Pedro Calapez ou Sílvia Simões entre outros.
Resta referir que a Galeria SALA 117 fica localizada na Rua de Damião de Góis nº 200, sendo que esta mostra pode ser visitada de segunda a sábado, das 15h-19h. (www.sala117.com)
Sobre Armanda Passos
Licenciada em Artes Plásticas pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde foi monitora de Gravura (1977-79), Armanda Passos vive e trabalha no Porto, tendo começado a expor em 1976.  Premiada pelo Ministério da Cultura em 1984, participou em numerosas exposições individuais e colectivas, e representou Portugal em várias bienais internacionais.
Sobre a obra de Armanda Passos escreveram Fernando Pernes, Joaquim Matos Chaves, Mário Cláudio, José Saramago, Vasco Graça Moura, António Alçada-Baptista, David Mourão-Ferreira, Urbano Tavares Rodrigues, Arnaldo Saraiva, Eduarda Chiote, Armando Silva Carvalho, Álvaro Siza, Eduardo Prado Coelho, Fernando Guimarães, Lídia Jorge, Mia Couto, António Barreto, Luís de Moura Sobral, Raquel Henriques da Silva, José Augusto-França e Sylvie Deswarte-Rosa, entre outros.
A artista plástica está representada em várias coleções públicas e privadas, entre as quais o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, Lisboa, a Fundação Calouste Gulbenkian - Centro de Arte Moderna, Lisboa, e a Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto.
Sobre a Galeria SALA 117
Constituída inicialmente como uma galeria itinerante, a SALA 117 dá particular atenção a projectos de relevante qualidade artística no domínio da Arte Contemporânea, pelo que a abertura do espaço na Rua Damião de Góis, no Porto, veio possibilitar um novo e alternativo ambiente, ponto de encontro entre artistas, obras de arte e público.

Os seus promotores, Olinda Magalhães e João Lopes, asseguram aos clientes um serviço de aconselhamento, avaliação e certificação de obras de arte.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Rui Nunes elege igualdade de género como um desafio para a década

Catedrático que ganhou concurso da UNESCO lança ciclo de conferências

- primeira sessão a 26 de Novembro, no Porto
"Igualdade de género: um desafio para a década" é o nome do ciclo de conferências que tem início no Porto, a 26 de Novembro, com intervenções de fundo de Maria de Belém Roseira, ex-ministra da Saúde e ex-candidata à Presidência da República, e de Clara Sottomayor, a juíza e defensora dos direitos da Mulher que foi recentemente eleita pelo Parlamento para o Tribunal Constitucional.
O ciclo de conferências é coordenado pelo médico Rui Nunes, professor na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e líder da equipa que está a redigir uma proposta de Declaração Universal de Igualdade de Género, para submeter à UNESCO. Proposta que surgiu na sequência de um concurso público internacional em que participaram mais de 120 países da UNESCO Chair in Bioethics.
Com a temática na ordem do dia, Rui Nunes decidiu avançar com "acções que permitam contagiar a sociedade com o debate e a reflexão sobre a Igualdade de Género, de modo a serem alcançados consensos, conquistados avanços culturais e mobilizada a comunidade internacional".
A primeira sessão tem lugar nas instalações da Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos (SRNOM), no Porto, entre as 10h e as 13h30 de 26 de Novembro. Além das conferências de Maria de Belém Roseira, focada na "Igualdade de Género na Saúde", e de Clara Sottomayor, sobre "Igualdade de Género no Mundo Laboral", estão previstas intervenções do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do próprio Rui Nunes e ainda de Carlos Silva (UGT), Edgar Loureiro (SINDITE), Amélia Ferreira (FMUP), Miguel Guimarães (SRNOM), Guilhermina Rego (Câmara Municipal do Porto) e Lina Lopes (SINDEP e Comissão de Mulheres da UGT).
O conjunto de conferências a realizar, que levará a questão a debate em várias outras capitais de distrito durante os próximos meses, pretende "contribuir decisivamente para que a Igualdade de Género assegure uma posição robusta e de destaque na escala de valores das sociedades evoluídas", aponta Rui Nunes, defendendo que "uma abordagem moderna dos Direitos Humanos deve, pelo menos, questionar o valor a conferir de forma particular aos direitos da mulher, ou seja, à igualdade de género nos mais diversos domínios".

Sobre o Prof. Rui Nunes
Além de responsável e coordenador à escala mundial pelo Departamento de Investigação da Cátedra de Bioética da UNESCO-Haifa, após ter sido convidado a criar a unidade portuguesa da mesma Cátedra, Rui Nunes é presidente da Associação Portuguesa de Bioética e do Conselho Consultivo da Entidade Reguladora da Saúde, tendo sido o principal impulsionador da criação da figura do “Testamento Vital” em Portugal. É professor catedrático na FMUP, onde dirige o Doutoramento em Bioética. É também membro do Kennedy Institute of Ethics (EUA), do Hastings Center (EUA), da Biopolitics International Organization (Grécia) e da Academia Portuguesa de Medicina, bem como da International Society on Priorities in Health Care (Reino Unido) e da European Health Management Association. Coordena o Programa Porto Cidade de Ciência e foi administrador da Fundação Ciência e Desenvolvimento (Câmara Municipal do Porto) entre 2009-2013. Tem publicados 22 livros, entre os quais “Regulação da Saúde” e “Testamento Vital”, 200 trabalhos e pareceres e fez mais de 900 comunicações científicas em congressos e seminários, nacionais e estrangeiros.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

ADDIM promove campanha contra a violência doméstica em restaurantes do Porto

De 27 de Novembro a 4 de Dezembro «Não Alimente a Violência»

A Associação Democrática de Defesa dos Interesses e da Igualdade das Mulheres (ADDIM) promove entre os dias 27 de Novembro e 4 de Dezembro a Campanha "Não alimente a violência", que consiste em angariar fundos e sensibilizar a sociedade para a problemática da violência doméstica.


O mês de novembro é identificado como o mês contra a violência doméstica e, com o intuito de aumentar a consciencialização sobre o tema, é lançada a Campanha "Não alimente a violência", na qual colaboram diversos restaurantes do norte do País (ver listagem abaixo).
A campanha consiste em que cada restaurante participante esteja munido de vouchers explicativos da campanha, bem como com uma pequena caixa acrílica, na qual poderão ser depositados os donativos, sendo estes no valor de um euro (1,00€).
A presidente da ADDIM, Carla Mansilha Branco, explica que a violência doméstica manifesta-se inicialmente com comportamentos e atitudes de controlo e domínio, passando mais tarde a instalar-se o designado ciclo da violência onde as vítimas estão sujeitas às mais variadas formas de maus tratos, podendo culminar numa situação dramática”.
Foi neste sentido que a imagem escolhida para a campanha "Não alimente a violência” é a de pratos partidos, uns mais partidos do que outros, que simboliza o aumento, muitas vezes silencioso, da violência. Esses pratos e as várias formas como se apresentam, desde lascados, a partidos e completamente estilhaçados ilustram bem o complexo flagelo social que é a violência doméstica”, acrescenta Carla Mansilha Branco.
Para o desenvolvimento e concepção da campanha contribuíram, juntamente com a ADDIM, mulheres vítimas deste flagelo que assola a sociedade.

Lista de espaços aderentes:
Restaurante Oficina (Rua Miguel Bombarda, Porto)
Restaurante DOP (Largo S. Domingos, Porto)
Restaurante DOC (Estrada Nacional 222, Folgosa, Armamar)
Casa de Chá da Boa Nova (Av. da Liberdade, Leça da Palmeira, Matosinhos),
Restaurante Pedro Lemos (R. do Padre Luís Cabral, Porto)
Wish Restaurante & Sushi (Largo da Igreja da Foz, Porto)
Flow Restaurante & Bar (Rua da Conceição, Porto)
Restaurante Camafeu (Pç. Carlos Alberto, Porto)
Mendi – Restaurante Indiano (Av. da Boavista, Porto)
Jóia da Coroa (Rua das Flores, Porto)
Restaurante D’Oliva (R. Brito e Cunha, Matosinhos)
Bull’s – Restaurante de Rodízio (R. Brito e Cunha, Matosinhos)
BH Foz – Restaurante - Bar (Av. do Brasil, Porto)
A Marisqueira de Matosinhos (R. Roberto Ivens, Matosinhos)

Sobre a ADDIM
Criada a 3 de Setembro de 1999, a ADDIM - Associação Democrática de Defesa dos Interesses e da Igualdade das Mulheres surgiu da vontade de um grupo de cidadãs que, consciente dos obstáculos à denúncia de crimes de violência cometidos contra mulheres e crianças, tomou a iniciativa de fundar uma associação que as defendesse, promovendo a valorização pessoal, profissional e social das suas utentes no combate à exclusão social e à perpetuação da diferença. A ADDIM situa-se na Rua Bento Jesus Caraça, 248, 1º Andar Sala 3, no Porto.
Contacto: 225 104 511

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Wine House Hotel da Quinta da Pacheca vence, pelo terceiro ano consecutivo, prémio “Best of Wine Tourism"

Vencedor na categoria de “Restaurante Vínico”

O The Wine House Hotel da Quinta da Pacheca foi, uma vez mais, distinguido com um prémio num dos mais importantes concursos internacionais de enoturismo - “Best of Wine Tourism 2017”.

O “Best of Wine Tourism 2017”, uma competição a nível mundial promovida pela “Rede de Capitais de Grandes Vinhedos – Great Wine Capitals”, atribuiu ao The Wine House Hotel Quinta da Pacheca, para o ano de 2017, o prémio de melhor “Restaurante Vínico”.

Localizado na região do Douro, o The Wine House Hotel Quinta da Pacheca obtém assim, pelo terceiro ano consecutivo, uma distinção desta organização internacional. No ano de 2015 foi vencedor na categoria de “Alojamento” e, em 2016, na categoria de Experiências Inovadoras em Enoturismo.

O Restaurante do The Wine House Hotel Quinta da Pacheca proporciona a todos os clientes uma experiência sensorial única, através de uma carta cuidadosamente elaborada pelo chef Carlos Pires.

Num misto de cheiros e sabores, o chef Carlos Pires apresenta pratos contemporâneos, confeccionados com produtos típicos durienses, permitindo aos clientes usufruírem de muito mais do que uma bela refeição. Uma verdadeira aventura de sensações acompanhada pelos vinhos da Quinta da Pacheca.

“Sem dúvida que este prémio nos traz uma grande e nova alegria. É, uma vez mais, a prova viva que estamos no bom caminho. Queremos continuar a criar e proporcionar experiências únicas a todos os que nos visitam”, salientam os administradores da empresa.

“São três anos, três distinções ímpares que promovem não só The Wine House Hotel Quinta da Pacheca, como também reforçam a notoriedade e qualidade da nossa região: o Douro”.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

“Nova” CONCRETA antecipa o futuro das áreas da construção e arquitetura

A reabilitação, a sustentabilidade e o design são os três principais vetores da bienal CONCRETA - Feira de Construção, Reabilitação, Arquitetura e Design, cuja 28ª edição se realiza no próximo ano, entre 23 e 26 de novembro, e que a Exponor está a preparar com "originalidade e irreverência" para impulsionar novas abordagens criativas neste importante setor.

Carla Maia, a diretora do certame, recorda a nova imagem e o novo formato que a feira apresentou na última edição, em 2015, para revelar que "seguimos esse rumo e estamos a aprofundá-lo para 2017, pois queremos criar um envolvimento cada vez maior com as cidades e as pessoas".
Nesse sentido, "a reabilitação, enquanto fenómeno crescente na área da construção, e a sustentabilidade, como preocupação generalizada aos vários setores da sociedade, são duas realidades obrigatórias a que não podíamos - nem queríamos - ficar alheios", aponta.
Ainda de acordo com Carla Maia, "também o design inovador vai tornar-se uma característica essencial do evento, já que se trata de uma tendência transversal à economia e constitui uma importante ferramenta de competitividade que ajuda, em larga escala, a internacionalização das empresas portuguesas".
Por estas razões, a "nova" CONCRETA tem, desde logo, uma imagem que respira modernidade e ousadia, a par de uma sensação de confiança alicerçada nas 27 edições já realizadas.
"Somos hoje um parceiro inquestionável das empresas do setor da construção, e vamos ser ainda mais", garante a já referida responsável, sublinhando que "o futuro é a nossa meta constante". Isto é, "um futuro de crescimento para as empresas, inclusive através da presença de compradores estrangeiros na feira, e de harmonia para os centros urbanos com a aplicação dos princípios da arquitetura moderna, da tecnologia e da sustentabilidade, os quais constituem, por si, também uma interessante fonte de negócios", frisa.

Dirigida a profissionais e ao público em geral, a CONCRETA pretende promover novas tendências e impulsionar a área da construção, da arquitetura e do design no contexto nacional, com vista também aos mercados externos, apresentando novidades técnicas e tecnológicas, novas soluções e novos materiais, facilitando demonstrações e experimentações e antecipando tendências aos mais variados níveis.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Sucesso do primeiro Agri Milk Show dita regresso em 2017 com conceito ainda mais alargado

Cerca de 7500 pessoas passaram pelo recinto da Exponor para testemunhar a modernização e desenvolvimento do sector leiteiro, apostado em vencer os desafios concorrenciais com que se depara. Genética, ordenha robotizada, alternativas alimentares para o gado, máquinas agrícolas, novos negócios e o Concurso Nacional da Raça Hosltein-Frísia foram alguns dos temas em destaque no I Agri Milk Show, uma feira que apostou tanto em potenciar o negócio como em sensibilizar o público para a importância do leite e derivados na alimentação.


Carlos Diogo Salgueiro, presidente da Associação Portuguesa de Criadores de Raça Frísia, APCRF,  co-organizadora do evento, congratulou-se com o sucesso da feira “que vai ajudar a puxar para cima um sector que tem tido as suas dificuldades, mas que tem muita vontade de as ultrapassar”. São iniciativas deste género “que puxam pela auto-estima dos produtores, porque conseguimos dar uma imagem de modernidade e pujança numa área com um peso considerável na economia portuguesa”.

Jorge Miguel Corais, líder do projecto e co-organizador, mostrou-se “muito satisfeito” com os resultados alcançados, considerando que foi possível provar que “uma feira agrícola, em Portugal, pode ser uma feira profissional e técnica, exclusivamente orientada para o negócio, sem a componente festiva e de espetáculos. Um evento virado para a facilitação do negócio e para a troca de ideias, em fóruns especializados”. Apesar do momento do sector, com todos os constrangimentos conhecidos, os expositores “viram neste Agri Milk Show uma feira pela positiva, que exalta o know-how português nesta área e que os deixa orgulhosos enquanto players do sector”.

A feira esteve quatro dias na Exponor, o que também representou um salto em termos de ambição, ocupando o grande Centro de Exposições do Norte do País. “O Agri Milk Show tem como referência no sector a FIMA, de Saragoça, e tendo em conta o sucesso da primeira edição é nossa convicção que poderemos, a médio prazo, ser uma referência na região do Noroeste Peninsular”, afirma Jorge Miguel Corais.

A I edição permitiu, também, perceber que os vários expositores acreditam no potencial de desenvolvimento do conceito que, em 2017, pode vir a ser alargado a mais subsectores dos lacticínios, como cabras, ovelhas e uma presença mais marcante dos industriais de lacticinios, chamando mais empresas que a montante e a jusante trabalham no agro-negócio. “É uma ideia que vamos maturar, mas o feedback que recebemos dos expositores presentes aponta nessa direcção”, sublinha o mentor do Agrimilk Show.

No último dia do Agri Milk Show apurou-se o vencedor do 36º Concurso Nacional da Raça Holstein Frísia, com a vitória a recair num exemplar da Sociedade Agro-Pecuária Vilas-Boas e Pereira Lda, de Ponte de Lima. Manuel Pereira, responsável da sociedade, já tinha visto as suas vacas premiadas em outros concursos, mas faltava-lhe vencer este que é um dos mais conceituados. “É o resultado de um trabalho que só tem oito anos, mas que tem vindo a ser reconhecido por todos que trabalham nesta área”, disse com alguma emoção à mistura.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

CASA DE SANTAR lança a gama “Vinha dos Amores“ – vinhos de excelência das vinhas de Touriga Nacional e de Encruzado

Nova imagem e novas gamas de segmento premium da Casa de Santar
O prestigiado produtor do Dão "CASA DE SANTAR" eleva o conceito de "vinhos de excelência" e lança a gama "Vinha dos Amores", exclusivamente direcionada para o segmento premium, onde podemos encontrar o melhor da Touriga Nacional e do Encruzado, castas de referência do Dão.

O restyling da marca coincide também com a estreia destes dois vinhos monocasta de eleição: o "CASA DE SANTAR Vinha dos Amores branco 2014", produzido a partir da casta Encruzado, e o "CASA DE SANTAR Vinha dos Amores tinto 2011", elaborado a partir da casta Touriga Nacional.
Ambos de grande caráter, os novos vinhos, com assinatura do enólogo Osvaldo Amado, apresentam um forte potencial de evolução, sendo, portanto, vinhos de guarda, mas que também podem ser consumidos com muito prazer desde já. Isto porque os "CASA DE SANTAR Vinha dos Amores" são, por definição, resultado de anos de exceção nas já de si especiais vinhas desta casa e, portanto, de produção limitada, sendo o preço de venda ao público de €24,90/garrafa.
Com o lançamento desta gama premium, a Casa de Santar pretende disponibilizar ao mercado vinhos de caráter elegante e distinto, que estejam à altura de serem considerados referências do que de melhor se produz na Região Demarcada do Dão e, como tal, emblemáticos do que de melhor se produz em Portugal.
CASA DE SANTAR Vinha dos Amores branco 2014
O branco que inaugura esta gama foi submetido a um processo de vinificação que contemplou 12 meses de estágio em barricas novas de carvalho francês, sendo três meses sobre borras finas – batonnage.
Com uma produção limitada a 3.000 garrafas, o "CASA DE SANTAR Vinha dos Amores branco 2014" apresenta um aspeto cristalino e uma cor citrina intensa, com abundantes tons esverdeados. O aroma denuncia alperce seco, madeiras exóticas, cereal tostado, grãos tostados e baunilha, sendo o sabor complexo, elegante, harmonioso e com longa persistência.
Pronto a consumir desde já mas a evoluir muito positivamente nos próximos anos, este branco de eleição é ideal para acompanhar iguarias à base de peixes e carnes de confeção estruturada.
CASA DE SANTAR Vinha dos Amores tinto 2011
O "CASA DE SANTAR Vinha dos Amores tinto 2011", cuja produção é limitada também a 3.000 garrafas, é produzido exclusivamente a partir da casta Touriga Nacional. O seu estágio compreendeu 12 meses em barrica de carvalho francês.
Este vinho apresenta um aspeto límpido e uma cor granada intensa com notórios tons violáceos. O seu aroma é intenso e complexo, onde são flagrantes os frutos do bosque, frutos vermelhos bem maduros e geleia dos mesmos. Tem ainda umas notas florais e de especiarias. O sabor é frutado, macio, bem estruturado e com evidente persistência final.
É um vinho excelente para o acompanhamento de queijos maturados e iguarias de confeção estruturada à base de peixes gordos e carnes vermelhas.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Robert Parker pontua com excelência dois vinhos da Quinta do Portal

«Quinta do Portal Grande Reserva Tinto 2011» e «Auru 2011»
merecem destaque internacional

A Quinta do Portal volta a ver reconhecida a excelência dos seus vinhos com mais duas pontuações de grande relevo atribuídas por Robert Parker, um dos críticos mais conceituados a nível mundial.



Em Hong Kong, a ‘Wine Advocate’, revista norte-americana da especialidade, que tem em Parker uma referência, realiza o Matter of Taste onde o Portal Grande Reserva Tinto 2011 e o Auru 2011 alcançaram 94 pontos numa bitola máxima de 100, o que atesta a qualidade destes dois vinhos do produtor do Douro, que já tinha visto estas mesmas referências premiadas noutros certames nacionais e internacionais.
O Quinta do Portal Grande Reserva Tinto 2011 afirma-se, assim, como um vinho com parâmetros superlativos, tendo já este ano vencido o prémio de ‘Melhor vinho do ano’ no concurso «Vinhos de Portugal». Nessa altura, tal distinção saiu também de um veredicto dado por nomes como Jancis Robinson ou Julia Harding. O know-how da equipa de enologia da Quinta do Portal na produção de «Grandes Reservas» data já de 1996, e a empresa só avança para o seu engarrafamento em anos de colheitas excepcionais, o que permite que o vinho evolua em garrafa por muitos anos.
Os vinhos com a chancela Auru são o topo de gama da Quinta do Portal e resultam de uvas das melhores vinhas das propriedades da empresa. Estagiam 14 meses em barricas de carvalho francês e têm um aspecto retinto e denso, sendo vinhos que evoluem muito bem em garrafa, sendo muito apreciados por coleccionadores.

Sediada em Celeirós do Douro, Sabrosa, a Quinta do Portal dedica-se ao conceito boutique winery, e, até há pouco tempo, especialmente à produção de vinhos DOC Douro, vinhos do Porto de categorias especiais e moscatéis. Na porta de entrada do Alto Douro Vinhateiro Património Mundial da Humanidade da Unesco, conta ainda com uma vertente enoturística assente em duas unidades de turismo rural, num armazém de envelhecimento de vinhos desenhado pelo arquitecto Siza Vieira e um distinto restaurante que têm merecido vários prémios. Os galardões conquistados nacional e internacionalmente pelos seus vinhos têm conferido à Quinta do Portal uma marca de qualidade e distinção.