Número total de visualizações de página

quarta-feira, 26 de abril de 2017

António Ole comemora 50 anos de trabalho artístico

«Corpo&Alma» de António Ole
em exposição na Galeria SALA 117
Inaugura a 26 de maio


 «Corpo&Alma» é a exposição do mestre António Ole que a Galeria SALA 117, no Porto, inaugura já no próximo dia 26 de maio. Passadas cerca de três décadas da última mostra nesta cidade, o artista angolano regressa ao Porto com obras inéditas.
Após uma retrospetiva, em 2016, no Museu Calouste Gulbenkian, esta exposição, que estará patente até 15 de julho, surge no ano em que se assinalam os 50 anos de trabalho artístico de António Ole (1967-2017), com destaque especial para o caráter ecléctico da sua obra.
É no desenho, a sua disciplina precursora, que assenta o conceito principal da exposição de Ole. A série de dez desenhos, «Alma&Circunstância», resulta de um “resgate” ao acervo íntimo do artista, reunindo esquissos e textos poéticos. A estrutura do desenho propaga-se para as pinturas - conversa acabada, conversa interrompida e Rakung -, onde a linguagem do corpo exerce preponderância, com soluções recorrentes à cultura africana. Assim, ao falar-se de eclectismo na obra de António Ole, manifestado na escolha dos materiais, no ensaio das aderências e inclusão de outras disciplinas, como a fotografia e o vídeo, há todo um caudal híbrido na matriz poética do artista que distingue a sua prática.
Na instalação «Corpo Fechado», regista-se uma breve incursão no domínio do profano e do sagrado, como se um nkisi se tratasse, protetor de muitos males que afligem o mundo.
A consciência social que atravessa parte substancial da sua obra, reflecte-se nas temáticas que tem vindo a abordar, sem receio de tocar assuntos incómodos, como a escravatura ou o colonialismo, concedendo-lhes a necessária perenidade para não serem esquecidos.
António Ole, nos seus 50 anos de percurso no mundo das artes, presenteia  Portugal com uma exposição a não perder.
Sobre António Ole
Nascido em Luanda em 1951, o mestre António Ole é um dos nomes maiores da Artes Angolana, sendo o único artista a representar Angola na 57ª edição da prestigiada Bienal de Veneza, que irá decorrer entre 13 de maio e 26 de novembro, e onde será apresentado o projeto “Magnetic Memory / Historical Resonance”.
António Ole desenvolveu uma obra que vai da escultura à instalação, da pintura e colagem ao desenho e da fotografia ao filme. Com formação em Cinema, pelo American Film Institute de Los Angeles e em Cultura Afro-Americana pela Universidade da Califórnia, realizou a sua primeira exposição em 1967 e desde a sua estreia internacional, no Museum of African American Art de Los Angeles, em 1984, apresentou os seus trabalhos em várias exposições, bienais e festivais um pouco por todo o mundo, designadamente em Havana, São Paulo, Sevilha, Berlim, Joanesburgo, Dakar ou Amesterdão. Em 1975 ingressou, como realizador de programas, na Televisão Popular De Angola, experiência que lhe permitiu aprofundar de forma significativa o conhecimento do seu país de origem
Ole afirma-se como artista plástico, com esculturas inspiradas nos murais dos Tchokwe, produzindo também pintura moderna, cuja originalidade advém dos elementos tradicionais que são utilizados, sem rejeitar a polémica. Aos 19 anos, atraiu a atenção da crítica e do público, expondo no IV Salão de Arte Moderna de Luanda um quadro onde se pode ver o Papa Paulo VI a tomar a pílula.
Apesar de viver e desenvolver o seu trabalho em Angola, António Ole é hostil ao rótulo de artista africano, afirmando-se antes como um artista em trânsito pelo mundo e que absorve sempre algo pelos sítios onde passa.


Sobre a Galeria SALA 117
Constituída inicialmente como uma galeria itinerante, a SALA 117 dá particular atenção a projectos de relevante qualidade artística no domínio da Arte Contemporânea, pelo que a abertura do espaço na Rua Damião de Góis, no Porto, veio possibilitar um novo e alternativo ambiente, ponto de encontro entre artistas, obras de arte e público.

Os seus promotores, Olinda Magalhães e João Lopes, asseguram aos clientes um serviço de aconselhamento, avaliação e certificação de obras de arte.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Expositores prevêem facturar cerca de 5 milhões

Expocosmética mostra novas tendências de beleza
num setor que vale mil milhões de euros em Portugal

De 22 a 24 de abril


O setor da cosmética vale atualmente mil milhões de euros em Portugal, assumindo-se como um mercado em constante crescimento. Prova disso é o facto de a XXII Expocosmética, que tem lugar de 22 a 24 de abril, na Exponor, apresentar uma evolução exponencial, com um aumento de 15% da área vendida. São quase 9.000 m2 das mais inovadoras tendências deste mercado cheio de glamour e beleza. Com um volume de facturação prevista durante a feira a rondar os 5 milhões de euros, a Expocosmética afirma-se assim como a principal plataforma na promoção, divulgação e desenvolvimento de negócios no sector da cosmética em Portugal.
Ao longo de três dias voltados para a beleza e o bem-estar, e onde o mote é «Happy Girls are the Prettiest», não faltarão diversas demonstrações, apresentações de produtos, shows, fóruns de debate, desfiles, campeonatos e concursos. No campo da moda destaque para o desfile de Diana Pereira, que apresentará a sua coleção Botton, e o designer de moda convidado Luis Carvalho, que irá mostrar o cool e o chique das suas propostas Primavera/Verão, com referências ao estilo pop/rock dos anos 70 e inspiração no estilo de Debbie Harry, dos Blondie.
Uma das grandes novidades deste ano é o concurso «Master Make Up». A Expocosmética tem sido um motor da profissionalização do setor e volta a sê-lo promovendo a escolha do(a) melhor maquilhador (a) nacional amador (a). Apenas dez candidatos irão passar para a grande final, que terá lugar no palco da Expocosmética, dia 22 de abril. O vencedor terá a oportunidade para se profissionalizar, com uma formação na Academia de maquilhagem Lia Cardoso Makeup, organizadora da iniciativa.
Nesta XXII edição voltam ainda algumas das atividades paralelas que mais dinamizaram edições anteriores, como é o caso do «Backstage». Rompendo com a tradicional privacidade dos camarins, os visitantes poderão conhecer os bastidores de um grande desfile in loco e contactar com os cabeleiros profissionais, assim como poderão sentir toda a adrenalina própria de um momento ‘pré-espectáculo’.
De regresso à feira está também o «Secret Kit», desvendado por uma selecção dos melhores cabeleireiros, que indicarão cinco produtos revolucionários para um melhor tratamento capilar e que estarão em exposição permanente na feira, bem como o Challenge Barber Shop, que vai avaliar o melhor barbeiro de Portugal, numa final que tem a Expocosmética como palco. Será ainda a oportunidade para homenagear um dos mais antigos barbeiros portugueses em actividade, José Aventino da Silva, o rosto por detrás da famosa Barbearia Invicta, na cidade do Porto.
Sendo de beleza que se fala, Joana Feitas é um nome incontornável e que encaixa na perfeição como embaixadora da Expocosmética, e será certamente uma inspiração para todos os visitantes. A sua imagem é sinónimo de beleza e saúde, silhueta perfeita, sorriso contagiante, em suma um ícone de beleza. Várias figuras públicas marcarão presença na inauguração do evento, como Joana Duarte, Liliana Santos, Anita Costa ou Diana Pereira, entre outras.
Nesta Expocosmética estão ainda previstas sessões de bodypainting, um campeonato internacional de estilismo de unhas, assim como a apresentação das novas tendências de maquilhagem para a estação primavera/verão.
Carla Maia, diretora do evento, prevê “uma edição inesquecível, com muitas novidades e as mais recentes tendências do universo da beleza, cimentando a posição da Expocosmética como a grande mola impulsionadora de um setor que tem uma importância cada vez mais crescente na economia nacional”.
Para além do lado que exalta a beleza e o bem-estar físico e psicológico a Expocosmética é também, para os profissionais deste setor, uma grande oportunidade de estabelecer parcerias e celebrar negócios. É aqui que encontram as melhores marcas, assim como os produtos e técnicas mais avançados e com preços mais competitivos.
A Expocosmética, orgulha-se de ser uma feira líder no mercado ibérico e prepara-se assim para consolidar essa posição na edição deste ano, reinventando-se e criando novos mecanismos de interacção e troca de conhecimentos entre os profissionais e o consumidor final.



Em 2016 a Expocosmética contou com a visita de mais de 47 mil pessoas, o que representou um retorno financeiro importante para os 220 expositores que ocuparam os cinco pavilhões do maior recinto de feiras e congressos do Norte do País: a Exponor.

Evento de joalharia, moda e lifestyle em Lisboa

ICONIC levou mais de dois mil visitantes ao Convento do Beato



Mais de dois mil visitantes deslocaram-se ao Convento do Beato para visitar o ICONIC, evento de joalharia, moda e lifestyle, que pela primeira vez se realizou em Lisboa, no fim-de-semana de 7 a 9 de abril. Por aquele espaço centenário da capital, passaram algumas das melhores criações nacionais de novos talentos e nomes consagrados de um setor que atravessa uma fase de transformação e crescimento, concentrando as atenções dos profissionais e do público em geral. O evento contou ainda com a presença de alguns nomes bem conhecido do público português, como Liliana Santos, Vanessa Martins, Marta Melro, Fernando Mendes ou Joana Barrios, entre outros.

A conjugação de joalharia e moda foi a grande novidade desta primeira edição, apresentando um conjunto de tendências pensadas para quem aprecia um estilo de vida sofisticado e de bom gosto. A mulher esteve no centro do evento, subordinado ao mote «Girl Power», não só enquanto musa inspiradora para joalheiros e criadores em geral, mas também como reconhecimento da afirmação e da crescente influência que o eterno feminino vai conquistando na sociedade. Para dar corpo ao mote que guiou este evento, aconteceram momentos como as «Fast Talks», que se debruçaram sobre temas atuais e fracturantes relacionados com a mulher.
A indústria da joalharia marcou presença com mais de sessenta expositores, que apresentaram as mais recentes tendências do setor, e demonstração ao vivo de artes seculares, como é o caso da filigrana. As novas tendências da street art ou a moda dos mais cativantes novos estilistas portugueses, apresentada no Portugal Fashion Show Room, foram outros dos momentos que fizeram da primeira edição do ICONIC em Lisboa uma aposta ganha.

Amélia Monteiro, directora do ICONIC e da Portojóia, que todos os anos tem lugar na Exponor, mostrou-se “muito satisfeita pela forma como decorreu esta primeira edição em Lisboa”, frisando que “as empresas puderam acompanhar as tendências do mercado, tendo em vista novas oportunidades de negócio”. “O ICONIC foi também uma montra privilegiada para o público em geral apreciar o que de melhor se faz na joalharia e na moda nacional, dois setores que cada vez mais se complementam”, concluiu.